Jundiaí

Para controle de perdas, DAE realiza ações de setorização e caça vazamento

Ação preventiva visa identificar vazamentos na rede ou em um ramal de ligação


DIVULGAÇÃO
A ação tem o objetivo de identificar um vazamento na rede
Crédito: DIVULGAÇÃO

Com o objetivo de atuar de forma preventiva, uma equipe de pesquisa acústica de vazamentos não visíveis (“caça vazamentos”) está vistoriando a rede de água da DAE. O trabalho envolve todas as ruas do município, incluindo bairros e condomínios, nos quais a rede pertence à empresa.

O serviço de pesquisa acústica é realizado pela empresa Effico, contratada pela DAE. Com recursos próprios, a iniciativa conta com investimento de R$ 1 milhão. “Esta é uma ação preventiva que visa identificar um vazamento na rede ou em um ramal de ligação antes que o mesmo tome proporções maiores, ocasionando um rompimento e podendo levar à paralisação no abastecimento”, explica o gerente de Controle de Perdas, Osmar Aparecido Raphael.

Nos locais onde são encontrados vazamentos, a empresa faz marcações na calçada, facilitando os reparos. “As marcas têm o nome da DAE e o da empresa, nas siglas BB ou EFC. Os moradores não devem apagar as letras, pois elas facilitam a localização ao retornarmos para realizar o reparo do vazamento”, detalha.

Osmar ainda lembra que as redes, mesmo que tenham sido construídas por determinado loteamento ou condomínio, pertencem à DAE, que tem livre acesso às mesmas. “Além disso, caso a entrada para o trabalho não seja autorizada, o local pode ter o abastecimento de água interrompido, conforme consta no Regulamento de Serviços da DAE S/A”, afirma.

Setorização

 

A área de Perdas também iniciou um trabalho de setorização das redes de água na cidade, que inclui instalações de macromedidores e válvulas redutoras de pressão, além da construção de booster.

Segundo Osmar, a primeira fase inclui o estudo das atuais condições de abastecimento de água nas regiões. Para isso, é instalado um equipamento chamado data logger no hidrômetro, que avalia a pressão no local. O aparelho é retirado após dez dias.

“Vale lembrar que ambos os serviços, tanto a setorização quanto o caça vazamentos, não têm custos para o consumidor, tampouco afetam o consumo e, consequentemente, a conta de água”, pontua Osmar.

O investimento total é de R$ 6,8 milhões, obtido por meio de financiamento da Instrução Normativa-29, tendo como Gestor da Aplicação o Ministério do Desenvolvimento Regional, Agente Operador o FGTS e Agente Financeiro a Caixa Econômica Federal.

Para este serviço, além da Effico, foi contratada a BBL Engenharia. Os funcionários das duas empresas estão uniformizados, usam crachá de identificação e máscara de proteção e contam com álcool em gel. Para garantir a segurança, ao receber a equipe, os nomes e os documentos de cada colaborador podem ser confirmados pela Central de Relacionamento da DAE, no telefone 08000 133 155.


Notícias relevantes: