Jundiaí

O número de óbitos deve bater recorde neste mês

COVID A Fase Emergencial surtiu efeito na contenção de casos, mas os óbitos ocorrem após semanas


Divulgação
Só nas duas primeiras semanas de abril os óbitos chegam a 160
Crédito: Divulgação

A previsão é que abril tenha um recorde de óbitos em Jundiaí, batendo o mês de março considerado o pior da pandemia em todo o país. Março registrou 194 mortes pela covid e só nas duas primeiras semanas de abril este número chega a 160.

Segundo o gestor de Saúde, Tiago Texera, o município vive o reflexo da segunda quinzena de março. "O mês de abril deve ser o pior mês em número de óbitos em Jundiaí, desde o início da pandemia, por causa do reflexo de março", alerta o gestor.

Para conter o avanço dos contágios, a Fase Emergencial foi imposta no estado de São Paulo durante quatro semanas. A medida surtiu efeito, mas o impacto de março ainda deve ser sentido pelas próximas semanas

Texera diz que a covid-19 já foi o principal fator causador de mortes do mês de passado na cidade. "A covid é a doença que mais mata em Jundiaí. O total de mortes de março no município é 443, sendo 43,8% causados pela covid-19. Doenças do sistema circulatório, que sempre foram as mais letais, representaram 14% dos óbitos em março."

FASE EMERGENCIAL

O gestor diz que a Fase Emergencial foi positiva na cidade. "Todas as medidas que visam diminuir a circulação de pessoas surtem efeito porque diminuem a circulação do vírus. Na semana de 21 a 27 de fevereiro, começou a crescer a quantidade de pessoas com síndrome gripal a uma média de 30% por semana. Foram 3.927 atendimentos do tipo em Jundiaí na semana de 14 a 30 de março. Recorde absoluto. Na última semana de março, começou a diminuir e foram 2.218 atendimentos de síndrome gripal na semana de quatro a 10 de abril. A curva está desacelerando de maneira mais consistente há duas semanas."

Quanto às internações, o gestor também diz que os números vêm diminuindo há duas semanas. "O São Vicente teve 118 entradas do dia cinco a 11 de abril. Em março, do dia 15 ao 21, foram 192 entradas."

Segundo Tiago, em todo o município, nas redes pública e privada, a média móvel de internações também caiu 16% da semana encerrada no dia quatro deste mês à semana encerrada no dia 11.

Caiu quase 30% ainda a quantidade de pessoas com covid hospitalizadas, da média da semana encerrada em 28 de março até a última terça-feira (13), mas Texera afirma que mesmo com esta possível estabilização, os números são altos.

"No pico da pandemia no ano passado, 247 pessoas estavam internadas. O contágio vem desacelerando, mas não significa que temos bons números no município. Com a nova variante, aumentou a gravidade dos casos, quer dizer, tem mais gente usando ventilação e são essas pessoas que têm o maior percentual de mortalidade", diz Texera sobre o risco que ainda existe e pode ser evitado com as medidas sanitárias que previnem o contágio.

Outra medida de controle da pandemia é a vacinação que gera efeitos positivos na população geral. "Até o presente momento não registramos óbitos de quem tomou as duas doses da vacina e esperou os 15 dias da produção de anticorpos. Quem tomou a vacina e morreu, contraiu a doença antes de tomar a segunda dose", garante o gestor sobre a imunidade gerada após o respeito ao período completo para a produção dos anticorpos.

REGIÃO

A Prefeitura de Várzea Paulista informa que foram registrados 31 óbitos de 14 de março a 14 de abril. Foram promovidas ações durante a Fase Emergencial e a curva de contágio, segundo especialistas da Vigilância Epidemiológica do município, se estabilizou, mas isso aconteceu num nível muito alto. Os números ainda são de alerta e a colaboração da população é essencial.

Em Itupeva, a prefeitura informa que no período de 14 a 31 de março foram registrados 12 óbitos por covid-19 e foram 14 óbitos no período de um a 13 de abril.

Segundo a prefeitura, a Fase Emergencial foi extremamente importante pois houve redução na taxa de ocupação de leitos de UTI, passando de 100% para 80% e na enfermaria de 61% para 17%. Esse monitoramento é feito diariamente e a Secretaria Municipal de Saúde estima que os percentuais apontados caiam ainda mais.

Em Jarinu, a prefeitura informa que a quantidade de óbitos causados pela covid entre o período do dia 15 de março a 14 de abril foi 23. Em comparação entre as datas, havia 258 suspeitos no município em 15 de março e 1.287 casos confirmados. No boletim de ontem (14), foram registrados 163 casos suspeitos, queda em relação a março, e 1.730 confirmados.

As prefeituras de Cabreúva, Louveira e Campo Limpo Paulista não responderam a solicitação do JJ até o fechamento desta edição.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: