Jundiaí

Em um ano, 51 ton. de frutas e verduras


DIVULGAÇÃO
A média mensal de alimentos distribuídos em Jundiaí quase dobrou
Crédito: DIVULGAÇÃO

O Banco de Alimentos, articulado pela Divisão de Programas Complementares da Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS), já distribuiu, desde março do ano passado, 51,5 toneladas de frutas, verduras e legumes à população em situação de vulnerabilidade social.

Uma médica de 2,3 mil famílias foram beneficiadas com 2,5 mil cestas ou sacolas verdes. A média mensal de alimentos distribuídos quase dobrou, passando de 2,08 toneladas antes da pandemia para 3,96 toneladas desde março do ano passado.

Os aumentos resultam do crescimento das captações, que passaram de uma para duas semanais, junto ao Ceasa Jundiaí - Entreposto Central de Abastecimento Jundiaí (ECAJ) e supermercados, além da expansão dos locais de distribuição que se estenderam para todos os seis Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), para os moradores da Vila dos Idosos e do Programa Vida Longa (antiga Vila Dignidade), e outros equipamentos vinculados à UGADS.

"Quando lançamos o Banco de Alimentos em 2019, um de seus diferenciais era o fato da articulação de políticas públicas, por meio da destinação das cestas a famílias que tivessem crianças em sua composição e já fossem atendidas, por exemplo, pelas visitações do programa Criança Feliz", relata o prefeito Luiz Fernando Machado.

CESTAS BÁSICAS

Além do Banco de Alimentos, a Prefeitura de Jundiaí distribuiu no último ano mais de 56 mil cestas básicas às famílias em situação de vulnerabilidade.

Para a gestora-adjunta da UGADS, Maria Brant, mais do que a concessão das cestas, a missão é ser uma política pública de aproximação com as famílias mais vulneráveis. "Essas famílias beneficiárias são chamadas a participar de grupos de educação e segurança alimentar, suspensos no momento por conta da pandemia, mas que têm a importante missão de compartilhar receitas para o melhor aproveitamento dos alimentos, ensinar técnicas de higienização e armazenamento para evitar os desperdícios, além de tratar de temas como convivência familiar".

A moradora de Ivoturucaia, Shirley Alves, agradeceu o alimento que recebeu. "Soube do CRAS pela indicação de uma vizinha e neste curto período já recebi um apoio muito importante. Com o dinheiro que vou economizar por causa da cesta verde e da cesta básica, vai dar para pagar as contas em atraso e garantir o gás para cozinhar."

A UGADS é responsável pela captação, distribuição e referenciamento de beneficiários. Já a Fundação Municipal de Ação Social (Fumas) fica responsável pela cozinha industrial onde os itens arrecadados são pesados, higienizados e montados em cestas ou sacolas verdes.

Durante a pandemia, as captações começaram a ser realizadas às segundas e quartas-feiras, assim como as entregas aos beneficiários, feitas às terças e quintas-feiras, de modo alternado entre todos os seis CRAS.

(Da Redação)


Notícias relevantes: