Jundiaí

COLUNA DO MARTINELLI: DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL, homenagem ao escritor Monteiro Lobato


T_martinelli
Crédito: Reprodução/Internet

Diz-se que a literatura infantil é o início de um universo repleto de possibilidades. Com certeza, uma criança que recebe o estímulo à leitura certamente adquirirá incontáveis benefícios que o hábito de ler proporciona. A dois de abril se comemora o Dia Internacional do Livro Infantil, já que é o aniversário de nascimento de um dos mais importantes nomes da área, o dinamarquês Hans Christian Andersen, o primeiro autor a adaptar fábulas já existentes para uma linguagem mais adequada aos pequenos. Entre os brasileiros, podemos citar escritores como Ana Maria Machado, Ruth Rocha entre tantos outros. Em nosso país a celebração é 18 de abril que marca o aniversário do precursor do gênero, Monteiro Lobato. Com efeito, ele nasceu nesta data, em 1822, na cidade de Taubaté, no Vale do Paraíba, em São Paulo e cujo nome completo era José Bento Monteiro Lobato.

Estudou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco e escreveu trinta obras literárias, sendo treze para adultos e dezessete para crianças. Nos trabalhos infantis, sempre se revelou um extraordinário ecologista, colocando a natureza como sua principal preocupação. Entre suas obras mais conhecidas estão “História do Mundo Para Crianças”, “O Saci”, “Memórias de Emília”, “História da Tia Nastácia”, entre outros, tendo quase sempre como cenário o “Sítio do Pica-Pau Amarelo”. Os personagens – Pedrinho, Emília, Narizinho, Rabicó, Tia Nastácia, Visconde de “Sabugosa” e Dona Benta – moravam neste recanto, onde os animais e as plantas viviam em completa harmonia. Até hoje são bastante idolatrados, pois também participaram de três versões de programas na TV brasileira.

No dia 12 de novembro de 1912, o jornal O Estado de São Paulo publicou uma carta sua enviada à redação, intitulada "Velha Praga", onde destacou a ignorância do caboclo, criticando as queimadas e que a miséria tornava incapaz o desenvolvimento da agricultura na região. Considera-se o primeiro manifesto público a favor da preservação ecológica em nosso país e sua publicação, causou grande polêmica. Mais tarde, novo artigo "Urupês" foi divulgado e onde aparece pela primeira vez o personagem "Jeca Tatu", o consagrado elemento de suas histórias e que inspirou filmes do comediante Mazzaropi.

Nacionalista, chegou a ser preso pelo governo por defender que “o petróleo era nosso” numa campanha que liderou para que a Petrobrás não fosse vendida para empresas do Exterior. Infelizmente, a ganância, o desequilíbrio, a corrupção, a incompetência e as deturpadas e abusivas questões políticas tornaram essa empresa , orgulho nacional e uma das mais ricas do mundo, num dos maiores exemplos de má gestão de todos os tempos, comprometendo a própria credibilidade do país.

Por outro lado, essa celebração tem o intuito de relembrar o livro é uma das principais ferramentas utilizadas na educação e formação das crianças, mesmo numa época em que tudo gira em torno do mundo virtual. Por isso, mesmo com a internet e todo o progresso tecnológico, sua importância é extrema e também nos convida a uma séria reflexão: valorizar o livro, seja ele de que natureza for, sendo a prova de que somos capazes de sonhar, imaginar, inventar e transformar um mundo de fantasias em realidade.

DIA DO INDÍO - Na próxima terça-feira é o DIA DO ÌNDIO, que nos desperta à esperança que as aspirações dos indígenas, constitucionalmente previstas, passem a ser respeitadas e consideradas. A defesa e a promoção da vida e da cultura desses povos são um dever de cidadania e, mais ainda, de solidariedade cristã.

TIRADENTES - 21 de abril, feriado nacional relembra a morte do alferes Joaquim José da Silva Xavier, mártir da Inconfidência Mineira. Lutou pela independência do Brasil, num período em que nosso país sofria o domínio e a exploração de Portugal. Nosso país não tinha uma constituição, direitos de desenvolver indústrias em seu território e o povo sofria com os altos impostos cobrados pela metrópole. Por isso, foi um exemplo de alguém que buscou uma nação melhor, cuja história foi feita de lutas e luto, perseguições e muita resistência.

DIA DA TERRA - É celebrado a 22 de abril desde 1970 quando o senador democrata Gaylord Nelson chamou a atenção para a necessidade de ações a favor do meio ambiente. Com o tempo, outros países passaram a comemorar a data, inclusive o Brasil. No entanto, esse chamado em defesa do planeta, embora tenha repercutido em todo o mundo, não trouxe os resultados práticos esperados. Inúmeros interesses econômicos interferem no equacionamento dos problemas, adiando políticas eficazes para a restauração ambiental de forma sustentável.

JOÃO CARLOS JOSÉ MARTINELLI é advogado, jornalista, escritor e professor da Faculdade de Direito Padre Anchieta de Jundiaí. É ex-presidente das Academias Jundiaiense de Letras e de Letras Jur´dicas ([email protected])


Notícias relevantes: