Jundiaí

'Novos' casamentos são intimistas e mais produzidos

Após um ano de pandemia, noivos resolveram adaptar a cerimônia e recepção


ARQUIVO PESSOAL
Franciele e William Mundu casaram no cartório e fizeram um almoço em casa para padrinhos e família próxima
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

O sonho de muitos casais de realizar o casamento perfeito teve que ser adiado na pandemia. Contudo, após mais de um ano nesta situação, alguns noivos decidiram adaptar a cerimônia e recepção de acordo com os protocolos de segurança de cada fase anunciada pelo governo.

A cerimonialista e assessora de casamentos Tomiana Silva de Brito revela que o adiamento ou adaptação depende do perfil dos noivos. "Tivemos casamentos que estavam marcados para 2020 e foram adiados para 2021 e posteriormente para 2022, estes noivos não estão se sentindo seguros para realizar o casamento com os protocolos que temos hoje ou sonham em fazer uma grande festa. Já outros noivos aguardam até o último momento para mudar de data, pois já estão com todos os fornecedores pagos e aguardam somente oficializar o casamento para morar juntos", afirma.

Para os casais que não abrem mão de adiar a data, na Fase Vermelha a opção é fazer cerimônias intimistas, somente com os familiares mais próximos que geralmente moram com eles e para comemorar, um almoço ou jantar em família. Já nas fases Laranja, Amarela e Verde os casamentos são com mais pessoas, porém com vários protocolos a serem seguidos como obedecer a capacidade permitida nos templos religiosos, lista de convidados reduzida e a proibição da pista de dança na festa. "Os casais podem optar por realizar uma cerimônia somente com pais e padrinhos e fazer a transmissão para os convidados via plataformas digitais. Assim, mesmo virtualmente, eternizam a lembrança da data", afirma a cerimonialista.

Tomiana afirma que, mesmo na pandemia, os noivos sempre investem na personalização do casamento. "Os trajes sempre são elaborados e as noivas não abrem mão do tão sonhado vestido. Os convites e a decoração são cada vez mais elaborados, sempre repletos da personalidade do casal. Como os convidados estão cada vez mais reduzidos e não podem testemunhar o momento, os noivos estão investindo em muita elegância para auxiliar na produção das fotos, proporcionando um momento único do casal", relata.

O relacionamento intenso e a imensa vontade de oficializar a união entre a manicure Franciele Mandu, 29 anos e o motorista William Mandu, 29 anos trouxe a opção de realizar uma cerimônia intimista, apenas para pais e padrinhos. "Namoramos pouco tempo. Começamos o relacionamento na pandemia. Nos casamos no dia 19 de março desse ano e no dia 30 faríamos um ano de namoro. Como o relacionamento sempre foi muito intenso e tínhamos objetivos iguais na vida decidimos não adiar, pois nunca foi nossa intenção fazer uma festa muito grande. Com isso, marcamos a data no cartório e nos casamos", conta Franciele.

Por conta da pandemia, a recepção teve que ser alterada. "Havia reservado o espaço em uma churrascaria para receber cerca de 60 pessoas. Montei os convites virtuais e estava com tudo pronto até que 15 dias antes da data o restaurante fechou e tive que mudar os planos. Para não adiar a data, principalmente porque estávamos com a viagem para a Lua de Mel em Natal marcada, eu e meu marido decidimos fazer a recepção em casa somente para os padrinhos e família mais próxima, mais ou menos umas 20 pessoas. Ficamos bem nervosos com a mudança em apenas 15 dias, pois o restaurante estava pronto para preparar tudo para nós e em casa tivemos que montar todo o almoço", afirma Franciele.

11 ANOS

A história da empresária Julia Silva Lima Albano, 29 anos e do bancário Luiz Paulo Rédua Albano, 31 anos começou há 11 anos. O noivado aconteceu em 2018 e logo em seguida os preparativos para o casamento, em outubro de 2020. "Em junho de 2020 fomos para a Fase Vermelha e resolvemos adiar para março de 2021. Até então, tudo estava caminhando bem, pois estávamos avançando de fases. Até que no começo de março deste ano o governador anunciou a regressão para a Fase Vermelha novamente, que iria valer a partir do dia 6. Entramos em pânico, fiquei tão desesperada que minha boca adormecia de nervoso", relata Júlia.

O casal conversou e decidiu de um dia para o outro realizar a cerimônia apenas no religioso. "Casamos no dia 5 de março, um dia antes de regredir de fase. Como ainda estávamos na Laranja, o espaço permitiu 60 pessoas para a cerimônia, por isso chamamos apenas os padrinhos e familiares próximos. Logo após, teve um mini Welcome Drink (comida e bebida) de 30 minutos e fomos embora. Depois tivemos nossa lua-de-mel em um resort localizado em Japaratinga, em Alagoas", conta a empresária.

O casal conta que a cerimônia foi maravilhosa e acredita que foi a decisão certa a ser tomada em um momento tão delicado. "Pretendemos realizar uma festa assim que possível, mas ainda sem previsão. Vamos esperar o momento certo para que não gere insegurança em ninguém e possamos curtir esse momento tão esperado com todos os familiares e amigos. Pelo menos estamos casados, morando juntos e seguindo nossa vida. Aconteceu como Deus permitiu", afirma Julia

(Mariana Checoni)

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: