Jundiaí

Setor de flores aquece o mercado para o Dia das Mães

FLORICULTURAS Segundo o Ibraflor, a data corresponde a 16% do faturamento anual do setor, mas este ano a expectativa é chegar aos 5%


      ALEXANDRE MARTINS
Renata Duarte Moreira está otimista para as vendas deste ano
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

A proximidade do Dia das Mães tem aquecido o mercado de presentes e o setor de flores e plantas já comemora. Segundo o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), a data corresponde a 16% do faturamento anual do setor, mas este ano, por conta da pandemia, a expectativa é chegar a um acréscimo de 5%.

Bom para quem compra e para que vende, principalmente porque são vários opções de espécies e de preços. Renata Duarte Moreira, proprietária de uma floricultura no Paineiras Shopping, espera boas vendas para este ano. Opções é que naõ faltam para agradar as mães.

"Nesse ano tivemos um diferencial. A cadeia produtiva de flores deu uma boa caída devido ao mercado de eventos, o grande mantenedor dessa produção, em que basicamente parou, mas apesar dessa realidade, nós seguimos bem otimistas e oferecemos muitas opções. A pandemia trouxe algumas vantagens, pois as pessoas começaram a ter o hábito de cuidar de plantas em casa e elas viraram uma ótima opção para quem não quer presentear com flores", comenta.

Renata usou da criatividade para inovar e surpreender e por isso segue firme no mercado. Os arranjos têm feito a diferença. "Nesse período do ano as orquídeas são as campeãs de vendas, custando R$ 98, seguida pelas rosas, R$ 15 cada. Estamos nos surpreendendo bastante com as vendas de plantas, no qual o pessoal tem optado principalmente por plantas mais exóticas e de fácil manutenção, para não terem que se preocupar em ficar regando todos os dias. Então temos buscado por essas espécies exóticas e diferentes como a begonia maculata por R$ 180 e a ficus-lyrata por R$ 280. Para os arranjos e buquês nós montamos um catálogo especial para o Dia das Mães, com grande variação de preços, a partir de R$ 59 e sempre dependendo das escolhas dos clientes", afirma.

DIVERSIDADE

Cleide De Rizo Saab, conhecida como Keka, comemora as boas vendas da época em sua floricultura, localizada no Centro. "Graças a Deus estamos indo muito bem esse ano. As pessoas estão se preocupando mais com as mães, tias e avós, além de ficarem mais em casa e percebendo a importância de ter mais cores em seus lares", conta.

Keka utiliza dos meios digitais como o WhatsApp, e-mail e o site da floricultura para realizar grande parte de suas vendas. "As orquídeas, rosas e girassóis são as preferidas dos clientes e os preços variam. Dependendo da embalagem e da quantidade, as orquídeas vão de R$ 70 a R$ 2 mil. O buquê com 10 girassóis está saindo por R$ 145 e cada girassol por R$ 15. Já o buquê de rosas varia e depende do tipo dela também (colombiana ou brasileira), de R$ 120 a R$ 200 e cada rosa por R$ 8", afirma.

Cíntia Araújo, gerente de uma floricultura da Vila Padre Nobrega, está com expectativas altas para as vendas deste ano e afirma que será melhor ou igual às vendas dos anos anteriores. "Percebemos que a procura de presentes para as mães começou bem antes. Desde a semana passada temos clientes pedindo para mandar fotos para poder antecipar seus pedidos, com medo de chegar no Dia das Mães e não ter as flores desejadas", conta.

Ainda segundo o Ibraflor, 45% do comércio nacional não depende das datas especiais, mas elas são importantes para incrementar sazonalmente as vendas.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: