Jundiaí

Dificuldade de relacionamento na pandemia pode afetar vendas do Dia dos Namorados


Pesquisa realizada pelo Instituto de Dados da Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí apontou que a dificuldade das pessoas manterem relacionamentos amorosos por conta da pandemia pode interferir nas vendas do Dia dos Namorados, considerada a terceira melhor data para o varejo.

A pesquisa da ACE foi realizada de 18 a 22 de maio e ouviu 837 pessoas nas principais vias do Centro, Vila Hortolândia, Ponte São João e Vila Arens. Dos entrevistados, a maioria (62%) declarou que não pretende comprar presentes no Dia dos Namorados.

Entre aqueles que declararam que não comprarão presentes, foi perguntado o motivo e 59,40% dos entrevistados responderam que é porque não estão em um relacionamento amoroso. “Esta é uma realidade da pandemia, com o aumento do isolamento social fica mais difícil sair e conhecer novas pessoas para se engajar em um relacionamento. Além disso, houve um aumento grande de término de relacionamentos e divórcios por conta da covid-19”, diz o presidente da ACE Jundiaí, Mark William Ormenese Monteiro.

Os 38% que responderam que pretendem comprar presentes vão presentear seus parceiros com roupa (35,2%), cosméticos/perfumes (22,9%), calçados (22,5%), acessórios (21,8%), eletrônicos (6,8%), flores/plantas (5,1%), eletrodomésticos (3,1%), cama/mesa/banho (1,7%), artigo para casa (1,0%) e chocolate (0,7%).

Entre as pessoas com intenção de comprar presentes na data, a maioria declarou que pretende gastar entre R$ 100 e R$ 500 (58,8%). Outros entrevistados informaram que o valor do presente será de até R$100 (30,2%). O tíquete médio de R$ 500 a R$ 1 mil foi opção para 6,1% dos entrevistados e 4,8% responderam que o valor do presente será acima de R$ 1 mil.

Uma das questões que chamou a atenção na pesquisa foi a forma de pagamento. A maioria (47,9%) dos entrevistados que vai comprar presentes declarou que pretende pagar em dinheiro. Os entrevistados também citaram as seguintes formas de pagamento: com cartão de crédito (29,3%) e cartão de débito (21,9%). Ou seja, 69,8% dos entrevistados pretendem pagar à vista por suas compras.

Das pessoas que pretendem pagar com cartão de crédito (29,9%) ou carnê/crediário (0,6%), a maioria (29%) declarou que deseja pagar em até quatro parcelas. “É importante o lojista se concentrar em oferecer facilidades de pagamento, considerando também o consumidor que declarou que pagará por suas compras em dinheiro”, explica Mark. “A pessoa pode ficar estimulada a consumir um valor maior ao saber que haverá uma facilidade no pagamento ou a possibilidade de parcelamento da compra.”

Retomada tímida

A pesquisa da ACE apontou que a confiança do consumidor foi abalada pela segunda onda da covid-19, pelo aumento do valor da cesta básica e do desemprego.

A expectativa é de que as vendas do Dia dos Namorados fiquem em torno de 0,5% menor do que foram em junho de 2020. “O cenário será muito parecido com o do ano passado, ainda assim o mês de junho deve ser melhor do que foi em abril deste ano, quando estávamos em uma fase mais restritiva.”


Notícias relevantes: