Jundiaí

Coworking retoma crescimento


           ALEXANDRE MARTINS
Paulo Morise, do Hangar212, prevê crescimento para este ano
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

O mercado de escritórios compartilhados já estava em alta em Jundiaí antes da pandemia. Com o isolamento social, o setor sofreu um baque no início de 2020, mas vem se recuperando desde a metade do ano passado. Este ano, além de muito mais procura, também estão lidando com contratos mais longos por parte dos usuários.

De acordo com a pesquisa "Global Coworking Growth Study", de 2020, realizada pelas empresas CoworkingResources and Coworker.com, o Brasil está em décimo lugar no ranking de países com mais espaços de escritório compartilhado. A pesquisa ainda relata que houve uma decréscimo de 12,9% no setor em 2020, mas que para esse ano a expectativa é de aumento de 26% no número de vagas por contrato e 96% contratos mais longos.

Paulo Morise, proprietário do Hangar212, conta que precisou cancelar o projeto de expansão do coworking no ano passado, por causa da perda massiva de clientes. "Chegamos a ficar abaixo do ponto de equilíbrio, adotamos diversas medidas de segurança que elevaram nosso custo fixo", relata.

Situação semelhante foi vivenciada por Carlos Eduardo Crivelaro, proprietário do Crework. "No começo caiu a zero a frequência de clientes, até porque o coworking mistura muitas pessoas", diz. "A partir do momento que começou a flexibilizar o isolamento social, o pessoal começou a voltar. Muitas empresas mudaram o meio de trabalho e o coworking veio como uma opção ainda mais relevante do que antes. Antes da pandemia era uma redução de custo, hoje é uma solução de verdade."

TRABALHO REMOTO

Levantamento da Associação Nacional para Economia Empresarial (NABE), realizado em 2020, aponta que o modelo híbrido deverá ser mantido por 80% das empresas no Brasil, ou seja, poucas organizações devem retomar atividades 100% presenciais no pós-pandemia.

Morise explica que o home office não é opção para todos. "Pessoas cansadas de trabalhar em casa, seja pela falta de espaço, conforto ou as interrupções geradas no lar devido aos filhos, pets, cônjuge, campainha. Uma curiosidade é que para quem mora em apartamentos, obras e reformas são permitidas durante o horário comercial e em prédios comerciais, as obras só podem ser feitas fora do horário comercial, então é bem mais silencioso para trabalhar."

Pensando nisso, a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e o Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci-SP) vêm incentivando uma solução diferente: a construção de espaços de coworking dentro dos condomínios residenciais. Contudo, a novidade ainda não tomou conta do mercado local.

CONTRATOS FLEXÍVEIS

Segundo Crivelaro, da Crework, um dos atrativos é a facilidade de alugar uma sala ou estação de trabalho sem ter que passar por todo o processo burocrático de aluguel de um imóvel. "Tem como reservar uma sala por algumas horas apenas", explica. "Quem foi realocado para trabalhar de casa acaba optando pelos planos mensais para ter onde ficar, já os profissionais liberais, como engenheiros, arquitetos e advogados optam pelas salas avulsas", diz, sobre o perfil dos usuários.

Sua principal fonte de renda, no entanto, provém dos serviços de endereço fiscal e comercial. "Mesmo para quem está bem trabalhando home office e não pretende voltar a um escritório convencional ou compartilhado, a opção de ter um endereço fiscal, comercial ou contar com serviços de secretariado é a mais atrativa, porque profissionaliza o serviço oferecido ao cliente dele."

Crivelaro exemplifica: "Um advogado, por exemplo, que precise receber documentos não precisa passar seu endereço residencial. O cliente pode levar os documentos no nosso escritório, onde temos recepcionistas preparadas para atender e que podem até mesmo digitalizar esse material e enviar o documento em PDF montado já para o profissional. Torna o serviço mais profissional, porque o cliente é atendido em um escritório de verdade, e facilita a vida do profissional liberal."

(Carina Reis)


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: