Jundiaí

Ambulatório pós-covid-19 ganha espaço próprio e amplia em 50% capacidade de atendimento


Divulgação
Novo espaço amplia em 50% oferta de atendimento às pessoas que registram sequelas em decorrência da covid-19
Crédito: Divulgação

Com foco no melhor atendimento à população e na ampliação do cuidado para os pacientes que tiveram sequelas em decorrência da covid-19, a Prefeitura de Jundiaí, por meio da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), passa a contar com o Ambulatório Pós-covid-19 no espaço do Complexo Argos. O prédio é de fácil acesso (rua Monteiro Lobato, ao lado do Complexo Argos) à população e possibilita a ampliação em 50% no atendimento.

“O ambulatório de Pós-covid-19 oferece todo o acolhimento e cuidado necessário para a melhor recuperação dos jundiaienses”, comenta o prefeito Luiz Fernando Machado, durante a visita para conhecer as novas salas que passam a oferecer o atendimento à população, a partir desta segunda-feira (12).

Em atividade desde setembro de 2020, mas instalado em sala do Núcleo de Atenção à Pessoa com Deficiência (NAPD), o Ambulatório Pós-covid-19 registra 110 pacientes atendidos por semana, sendo 20 presencialmente. Com o novo espaço, além do maior conforto, será possível ampliar em 50% o número de consultas e atividades diárias oferecidas aos pacientes de maneira presencial, passando para 41 vagas de atendimento presencial.

Segundo o gestor da UGPS, Tiago Texera, o atendimento multidisciplinar realizado no serviço garante ao paciente os melhores resultados. “As pessoas que acabam permanecendo internadas por um certo período pela covid-19, ou mesmo aqueles que não precisaram de internação, mas ficaram com alguma sequela da doença, são acompanhados pelos técnicos do Ambulatório, que oferece desde atendimento com fisioterapeuta, até nutricionista, já que entre as mais frequentes sequelas deixadas pela doença estão perda muscular, de capacidade pulmonar, síndromes psicológicas e nutricionais”, detalha.

O atendimento do Ambulatório Pós-covid-19 é feito por meio de encaminhamento da Unidade Básica de Saúde (UBS) de referência do paciente, que faz a primeira avaliação após a superação da doença. Na sequência, o usuário passara pela avaliação de uma junta especializada que identificará as necessidades para o melhor tratamento e recuperação no serviço especializado.

Thierre Marcos de Macedo, 40 anos, projetista mecânico, teve os primeiros sintomas da covid-19, em 8 de junho e precisou passar 10 dias internado por conta de embolia e infarto pulmonar. “Saí do hospital há uma semana, passei por teleconsulta e agora vou passar por atendimento no Ambulatório Pós-covid-19. Ainda sinto muito cansaço”, comentou o rapaz, pouco antes de passar pela primeira avaliação dos especialistas.

 


Notícias relevantes: