Jundiaí

ACE entrega prêmios às empreendedoras finalistas de concurso


divulgação
ACE de Jundiaí entregou, nesta sexta-feira, os prêmios para as finalistas do concurso 1º Prêmio Mulher Empreendedora
Crédito: divulgação

A Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí entregou, nesta sexta-feira, os prêmios para as seis finalistas do concurso 1º Prêmio Mulher Empreendedora. Além delas, a cerimônia de entrega contou com a participação de empreendedoras que fazem parte do Conselho Deliberativo da ACE e de profissionais que participaram da Comissão Julgadora.

As três finalistas de cada categoria receberam como prêmio R$ 3 mil (1º lugar), R$ 1,5 mil (2º lugar) e R$ 1 mil (3º lugar), além de um curso da Escola de Negócios da ACE e um troféu personalizado.

A vice-presidente da entidade, Leandra Maia Diniz, que representou o presidente, Mark William Ormenese Monteiro, explicou que o concurso foi criado pela Associação Comercial com um propósito muito maior do que oferecer um prêmio em dinheiro às participantes. “Já tínhamos em mente fazer o concurso bem antes da pandemia e não conseguimos”, disse. “Com tudo o que aconteceu nos últimos meses percebemos que não haveria momento melhor para homenagear a mulher empreendedora, que teve de desbravar novos caminhos e novas oportunidades. Este prêmio é um reconhecimento ao papel que estão desempenhando.”

O concurso recebeu 25 relatos que foram divididos nas categorias MEI e Pequenos Negócios.
Na categoria ME, as vencedoras foram: Patrícia Vidiri Manzato (1º Lugar), Amanda Aparecida Roveri Garcia (2º) e Patricia Maria de Aquino (3º). Já na categoria MEI venceram: Florisbela de Oliveira (1º), Maria Carolina Abumrad (2º) e Aline Lais Federige (3º).

Após receber o Prêmio, Patrícia Manzato contou que demorou 11 anos para equilibrar a situação da empresa e conquistar o seu espaço no mercado e quando conseguiu, veio a pandemia e ela teve de se reinventar. “Vencer este prêmio me deu uma injeção de ânimo”, disse. “Não tanto pelo dinheiro, mas pela motivação para seguir adiante.”

Florisbela também sentiu-se mais motivada para seguir em frente depois de receber a notícia de sua colocação no concurso. Aos 58 anos e com as portas do mercado de trabalho fechadas por conta da idade, contou que foi “jogada na jaula dos leões” ao optar por empreender e teve duas alternativas: lutar ou ser devorada. “Eu preferi lutar. Não foi meu primeiro desafio e não será o último.

O Prêmio Mulher Empreendedora recebeu 25 relatos que foram julgados por Júlio Durante, diretor da Unidade de Gestão de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia da Prefeitura, Vanessa de Alcântara César, analista de negócios do Sebrae, que na entrega foi representa por Eloísa Xavier Couto, e Daniela Pelipas, co-fundadora do Bolo da Madre, que foi representada por Ira Rodrigues. Durante o julgamento dos relatos, Daniela emocionou-se com as histórias enviadas e fez questão de presentear as finalistas com seus bolos.


Notícias relevantes: