Jundiaí

Terceira idade é exemplo de que não existem limites para a prática de esportes

Para garantir um envelhecimento saudável e maior qualidade de vida, moradores da Região de Jundiaí, acima dos 60 anos, mostram que nunca é tarde para começar a se exercitar


                                    ALEXANDRE MARTINS
Aos 60 anos, o engenheiro José Carlos Judice começou a praticar montanhismo
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Muitas pessoas colocam faixa etária para a prática de esportes. Entretanto, para garantir um envelhecimento saudável e maior qualidade de vida, moradores da Região de Jundiaí, acima dos 60 anos, mostram que nunca é tarde para começar a se exercitar.

A aposentadoria pode trazer a realização de antigos desejos, que não foram realizados em anos de trabalho. O engenheiro aposentado José Carlos Guimarães Judice, de 64 anos, começou a praticar o montanhismo e a escalada há quatro anos quando se aposentou, e afirma que sempre teve vontade de praticar o esporte.

"Sempre tive vontade de fazer trilhas e escalada, admiro o contato com a natureza, porém não conseguia devido ao trabalho corporativo, me exercitava apenas na academia. Ao me aposentar com 60 anos, fui atrás da agência de montanhismo em Jundiaí, comecei a participar fiz o curso e me apaixonei", afirma Judice.

Além do condicionamento físico proporcionado pelo esporte, a atividade também trouxe benefícios psíquicos.

"Durante as trilhas e escaladas é possível ter contato direto com a natureza e tudo que está ali, adquirindo um pouco da energia do ambiente, apreciando o que há ao redor. E, além do condicionamento físico, os esportes proporcionam maior foco, força, desenvolvimento de concentração, da mente, pois na escalada por exemplo, temos uma espécie de meditação entre você e a pedra", diz o engenheiro.

Da mesma forma, Maria de Fátima da Silva, de 64 anos, pratica diversas modalidades desde os 40 anos como hidroginástica, zumba, natação, pilates e relata que a princípio começou a prática por vaidade, porém é essencial para sua saúde.

"Desde os 40 anos me exercito diariamente e me considero uma mulher de muita saúde. Não sinto nenhum tipo de dor, mesmo aos 64, tenho muita disposição", afirma Maria de Fátima.

Diante das limitações da pandemia da covid-19, Maria de Fátima relata que não parou de se exercitar. "Na pandemia, treinei em casa e senti falta dos exercícios que fazia na academia, mas mantive o foco. Eu acredito que não devemos desanimar e nem fazer a vontade do nosso corpo preguiçoso. Os exercícios físicos ajudam nosso psicológico também", afirma Maria.

SAÚDE E AMIZADE

Eliana Trimboli, de 60 anos, é terapeuta e educadora física, e tinha o sonho de praticar triatlo, um esporte que envolve trechos de nado, corrida e ciclismo.

"Sempre quis fazer triatlo, mas nunca tive oportunidade. Quando abriu o curso no Sesc corri para realizar esse sonho, fiz o curso de dois anos e, desde então, não parei. Aprendi as técnicas para nadar no mar, a correr corretamente e, em 2020, fiz o primeiro triatlo federado no Paraná", afirma Eliana.

Ao iniciar o triatlo no Sesc Jundiaí, a terapeuta notou que os benefícios também incluem novas amizades. "Depois que comecei o triatlo, meu colesterol alto e glicemia se estabilizaram. A prática me trouxe amizades novas, convivência com outros atletas e socialização. Ganhei amigos, saúde e disposição para tudo. Nós temos às vezes a limitação corporal, porém nossa cabeça fica muito jovem", completa a terapeuta.

CUIDADOS

O médico geriatra André Luis Ricetto Aiélio, de 38 anos, afirma que é de extrema importância a prática de exercícios e que não há faixa etária para começar.

"Durante o envelhecimento, perdemos massa muscular e óssea com maior velocidade. A prática regular de exercícios é essencial para prevenção de doenças cardiovasculares, osteoporose, perda de força muscular, quedas, fraturas e transtornos mentais. O ideal é iniciar o quanto antes, mas nunca é tarde para começar. Sempre há benefícios, independente da idade", afirma Aiélio.

Contudo, como cada corpo possui diferentes tipos de desenvolvimento, é importante sempre consultar um especialista.

"O idoso deve passar por uma avaliação médica antes de iniciar qualquer tipo de atividade física. Em conjunto com ele, será definido qual o melhor tipo de atividade para cada paciente. Além disso, o idoso deve estar acompanhado por um profissional capacitado durante a prática dos exercícios, evitando lesões ou outras complicações", diz o médico.

Respeitar os limites do corpo e tomar todos os cuidados é essencial para a manutenção da saúde em todas as idades.

"Os exercícios também fazem parte do tratamento das dores crônicas. É importante iniciar a prática de exercícios gradualmente, de acordo com sua capacidade física. Mantenha-se bem hidratado durante as atividades e faça o acompanhamento médico regular", indica André.

(Geovana Arruda)

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: