Jundiaí

Recorde de faltas e não agendamentos chegam a 20%, idades de 29 a 37 anos sobrecarregam repescagem


Divulgação
Falta de agendamento compromete avanço da imunização em Jundiaí
Crédito: Divulgação

Desde o mês de julho, quando as idades abaixo dos 40 anos tiveram o agendamento e a aplicação iniciados, altos índices de sobras nas agendas e de faltas nos dias da vacinação têm sido registrados. Das 44,6 mil doses oferecidas para as pessoas com 29 a 37 anos, 20% não foram agendadas, ou, mesmo agendadas, não compareceram. O percentual é mais que o dobro do registrado nas idades acima de 40 anos, quando 7,65% das doses ofertadas não eram realizadas por não agendamento ou falta no dia da aplicação. O resultado da não adesão da população é o congestionamento no sistema de repescagem de dose, realizado às quintas-feiras, às 17h.

O grupo com maior número de faltas ou não agendamentos foi 33 anos, quando 27% das 5 mil doses não foram agendadas. Na sequência, empatados com 22% de absenteísmo, as faixas etárias de 31 e 37 anos não buscaram pela agenda ou faltaram no dia da aplicação. Na terceira colocação no ranking está o grupo de 29 anos que teve índice de ausência de 20,9% das 4 mil doses oferecidas.

“É essencial que as pessoas busquem pela vacina quando há a abertura para a sua faixa etária. Desde a abertura a partir de 42 anos até a atual, feita de forma gradativa (ano a ano), a quantidade oferecida contempla toda a população daquela idade. O ‘deixar para depois’ compromete não somente a própria saúde como o avanço da imunização na cidade”, explica a enfermeira gerente da Vigilância Epidemiológica (VE), Maria do Carmo Possidente

A falta de procura no sistema de idades, contudo, contrasta com a busca pela repescagem. De acordo com dados da Companhia de Informática de Jundiaí (Cijun), na última agenda de repescagem, realizada no dia 12, com oferta de 600 doses, foram realizados 5.690 acessos em pouco mais de um minuto. Já as oportunidades anteriores, com 500 doses oferecidas em cada uma, o número de acessos foi crescente, passando de 1,4 mil para 2,9 mil. “Com foco no atendimento aos ‘atrasados’, desta vez, a repescagem oferecerá 1,5 mil vagas para o grupo de 27 a 59 anos”, comenta o gestor da UGPS, Tiago Texera.

Os grupos etários mais faltosos são os que mais procuraram pela repescagem, respondendo por 76,3% das vagas. Mesmo assim, ainda na aplicação da repescagem, 7% desses usuários faltam à aplicação. “A repescagem foi implementada exclusivamente para as pessoas que estavam, por algum motivo, impedidas de agendar ou de receber a aplicação da dose, como por exemplo, quem estava doente, com síndrome gripal ou internado no momento da abertura da sua agenda”, lembra o gestor.

Todas as doses não agendadas ou não realizadas, são utilizadas imediatamente para a abertura da próxima faixa etária. Nenhuma dessas doses fica em estoque ou sem ser utilizada.


Notícias relevantes: