Jundiaí

Setor de piscinas e acessórios de lazer de olho na retomada

OTIMISMO Sem arriscar em falar de valores, comerciantes focam na prestação de serviço para atrair da atenção do consumidor


ARQUIVO PESSOAL
Patrícia Espósito afirma que a pandemia não trouxe prejuízos para a loja
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

O setor de piscinas e de acessórios de lazer teve que se acostumar com o abre e fecha do comércio e focar no delivery, mas a retomada do setor comercial, unida aos dias mais quentes e o fim das restrições serão um fôlego aos comerciantes.

Sem arriscar falar em aumento nas vendas, apenas focam nos estoques para atrair da atenção do consumidor, seja com a venda de produtos e acessórios ou serviços como manutenções e construções.

Segundo Patrícia Espósito, proprietária de uma loja do segmento de piscinas, a procura por produtos, manutenções de piscinas ou construções de espaços de lazer tem sido grande. "As pessoas têm procurado por manter o espaço que já tem, seja trocando os refletores ou qualquer item que deixe a piscina pronta para este verão que está chegando de forma antecipada", conta.

Ela agradece por não ter tido seu negócio afetado com a pandemia. "Com o pessoal ficando mais em casa, houve essa necessidade de fazer reformas ou melhorias, como a instalação de aquecedores e também não tivemos que fechar, por conta de produtos como o cloro, que se encaixam no quesito da saúde pública, mantendo piscinas de condomínios limpas, por exemplo. Assim, registramos uma alta de demandas, chegando em torno 30%, em relação ao período antes da pandemia.", afirma.

As expectativas de Patrícia são as melhores possíveis. "O sol é o nosso melhor vendedor por isso acredito até o final do ano melhore mais, apesar do aumento no valor da matéria-prima. Em alguns casos precisamos repassar os valores", explica

RETOMADA

Para Murilo da Silveira, responsável de vendas de uma loja de produtos de piscinas, a procura pelos materiais está começando agora. "O inverno deu uma diminuída nas vendas, mas já estamos retomando com esse calor. Além dos itens de piscina, oferecemos manutenções gerais, como limpezas de bomba e filtros", conta.

Segundo Silveira, a procura pelos serviços na pandemia foi um pouco a baixa do normal. "Principalmente por causa das chácaras de aluguel, que precisaram ficar fechadas, mas essa leve queda não chegou a ser prejudicial para nós. Quem tem piscina em casa, independente da pandemia, do frio ou do calor, precisa tratar e cuidar dela", afirma.

A maioria dos clientes procura a loja para serviços de manutenção. "Chamamos de 'tratamento de choque', quando a piscina fica muito tempo parada e acaba ficando esverdeada. Então, fazemos essa limpeza pesada", explica.

Silveira afirma que a estratégia para o verão deste ano é conseguir se estruturarem bem para não faltar mercadoria na loja. "Teve muita falta de produtos durante a pandemia, mas agora, com a chegada do calor, a expectativa está bem alta", pontua.

De acordo com Felipe Nadeu, proprietário de uma loja de produtos e acessórios para piscinas, houve uma queda absurda de vendas durante a pandemia, chegando a mais de 50%. "As procuras e demandas estão voltando só agora, no verão do ano passado até teve, mas foi bem pouco. Para este ano, as expectativas de vendas são muito boas, pois as expectativas de clima são bem quentes. Nosso campeão de vendas sempre foi e continua sendo o cloro", conta.

Apesar do calor intenso que está por vir, Nadeu se preocupa com os valores dos produtos vindo dos fabricantes. "Por um lado estamos felizes, mas por outro, temos que estar cautelosos e saber balancear os custos dos materiais. Estou segurando ao máximo para não repassar aos clientes, mas se continuar assim, não vai ter jeito.", lamenta.

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: