Jundiaí

Lote suspenso da Coronavac teve 30 mil doses aplicadas em Jundiaí

PRECAUÇÃO O município tem ainda 5.148 doses destes lotes em estoque, que serão armazenadas no aguardo de novas orientações dos órgãos responsáveis


ARQUIVO PESSOAL
Daiane Ghiraldi tem medo da vacina, pois se sentiu mal ao recebe-la
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

A notícia da suspensão da distribuição e aplicação de pelo menos 12 milhões de doses da vacina Coronavac envasados por uma fábrica da farmacêutica Sinovac da China pegou governos e municípios brasileiros de surpresa. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a farmacêutica fabricou doses em uma unidade não inspecionada.

Em Jundiaí, segundo a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), 35.730 doses chegaram por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), identificadas nos lotes J202106033 e J202106039, ambos que tiveram o uso suspenso pela Anvisa.

No entanto, não haverá, por ora, reaplicação de doses e nem descarte das não aplicadas. A Anvisa vai avaliar o trabalho da fábrica para entender se a qualidade, a segurança e a eficácia das vacinas enviadas podem estar comprometidas.

A medida, segundo os órgãos responsáveis pela distribuição e fabricação, é preventiva, já que o imunizante é seguro e atestado pela Anvisa e Organização Mundial da Saúde (OMS). A suspensão não afetará a vacinação em Jundiaí, que tem aplicações determinadas para hoje (7), em segunda dose, e o quantitativo recebido é suficiente para cobrir os próximos agendamentos.

RECEIO

Quem recebeu a vacina, mesmo que ainda não haja nenhum risco atestado, tem certo receio pela suspensão. Este é o caso de Viviane Gomes, de 35 anos. "Tomei do lote irregular, mas não tive reação nenhuma e a segunda dose também foi normal. A gente fica com receio de que não funcione, mas creio que foi falta de comunicação. Espero que esteja tudo certo e a gente não precise tomar a vacina de novo", diz ela.

Este também é o caso de Daiane Ghiraldi, de 32 anos, que recebeu a vacina em julho. "Tomei na primeira dose. Tive bastante dor de cabeça, dor no braço, mal estar, tive que ir ao hospital porque fiquei bem ruim. Acabei de ver os lotes e meu cartão de vacinação e me dei conta agora. Fiquei preocupada porque passei mal."

A principal preocupação dela é algum risco para gestação que descobriu há pouco tempo. "A segunda dose que recebi foi normal, não senti nada, mas a gente se preocupa por saber que não passou pela Anvisa, ainda mais agora que descobri que estou grávida. Espero que tenha envasado certo e seja seguro."

PRECAUÇÃO

o Instituto Butantan informou através de nota que foi o responsável pela comunicação à Anvisa da fabricação ainda não fiscalizada pelo órgão, após atestar a qualidade das doses recebidas, e o fez por compromisso com a transparência e por extrema precaução. Isso garante que os imunizantes são seguros para a população.

Em Jundiaí, assim como estabelece o Programa Estadual de Imunização (PEI), todas as aplicações são monitoradas e registradas em sistema. A qualquer ocorrência adversa, a população deve procurar qualquer equipamento de Saúde para registro da ocorrência e cuidado necessário. A prefeitura informa que até o momento não há registro de ocorrência adversa em pessoas que tenham recebido as doses dos lotes suspensos preventivamente.

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: