Jundiaí

Por meio de doações e voluntários, Paim já atendeu 1,5 mil

O programa oferece apoio na educação e formação durante o contraturno escolar


DIVULGAÇAO
Atualmente o Paim acolhe cerca de 53 crianças e adolescentes na sede
Crédito: DIVULGAÇAO

Com ajuda de voluntários e de doações, o Programa de Atendimento e Integração Maria Tereza Rebello (Paim) já atendeu, ao longo de 18 anos de história, 1,5 mil crianças e adolescentes, oferecendo apoio na educação e formação durante o contraturno escolar.

"Muitos pais que trabalham o dia inteiro deixam seus filhos no Paim para que eles não fiquem sozinhos em casa e nem expostos aos perigos que a rua pode oferecer", explica Cristina Fornazari, uma das voluntárias da unidade.

Foi o que fez a funcionária pública Marinete Moraes, mãe do medalhista paralímpico Thomaz de Moraes, de 20 anos, e seus irmãos mais velhos Thales Yan, de 29 anos, e Milena, de 26 anos. Marinete diz que o Paim foi muito importante na formação educacional e no apoio dado aos seus filhos, pois na época trabalhava como empregada doméstica e passava a maior parte do tempo longe de casa.

"Eu trabalhava o dia inteiro e não tinha tempo de cuidar dos meus filhos no período da tarde, então deixava os três na sede do Paim, pois tinha certeza que lá eles seriam muito bem cuidados", afirma a mãe.

Marinete afirma que os filhos ficaram cerca de três anos frequentando o local e sempre será grata pela recepção dos voluntários com eles. "Foi muito importante para todos eles, sempre faziam atividades, se alimentavam muito bem e voltavam para casa felizes", diz.

Já o medalhista paralímpico Thomaz Ruan de Moraes, conciliava as atividades do Paim com seus treinos diários no Peama. "O Thomaz saia da escola e ia para o Paim, lá ele almoçava e ia direto para o Peama treinar", comenta a funcionária pública.

AJUDA

Atualmente o Paim conta com a ajuda de 25 voluntários, além de empresas parceiras que auxiliam na entrega de alimentos e materiais, e atividades de arrecadação de fundos para o projeto.

De acordo com a voluntária Cristina Fornazari, a entidade recebe alunos de 7 a 17 anos visando a proteção básica e o atendimento socioeducativo. "O Paim busca estimular e incentivar este público com ações pedagógicas, esportivas e artísticas, oferecendo apoio às famílias".

O programa cuida de cerca de 53 crianças e adolescentes, proporcionando oficinas de diversas modalidades, como dança, teatro, música, artes marciais, terapias, projeto de vida e preparação para o mundo do trabalho, além de refeições diárias para todos os participantes.

(Luana Nascimbene)

SERVIÇO

O Paim está de portas abertas para quem deseja contribuir financeiramente, ou através de doações de alimentos, roupas e materiais. Para se voluntariar no programa, basta entrar em contato através do e-mail, ou visitar a sede, localizada na rua José Bonifácio de Andrade e Silva, 260 - Vila Cacilda.

E-mail: [email protected]

PIX para doações: 05.572.197.0001-57

Site: www.paim.org.br/

 


Notícias relevantes: