Jundiaí

Seca, conta de luz e geadas refletem no preço dos alimentos

ECONOMIA Comerciantes do setor de alimentos relatam motivos do aumento dos preços no varejo


ALEXANDRE MARTINS
Aparecida Santos, do ECAJ, mostra que muitos produtos custam mais
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

O longo período de estiagem, unido ao aumento de tarifas como a energia elétrica, prejudicaram a produção de alimentos, principalmente hortaliças, legumes e carnes, resultando em reajustes destes itens. Em Jundiaí, comerciantes do Entreposto Central de Abastecimento de Jundiaí (ECAJ) sentiram os prejuízos e precisaram passar os reajustes.

De acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), em agosto, São Paulo registrou o terceiro maior valor de cesta entre as capitais do país, R$ 650,50. Este número equivale a 59% do salário mínimo brasileiro (R$ 1.100).

Os produtos com alta de preço médio em relação a julho foram: batata (27,30%), banana (7,25%), açúcar refinado (4,35%), manteiga (3,04%), farinha de trigo (2,39%), pão francês (0,91%), café em pó (0,86%), tomate (0,75%), óleo de soja (0,63%) e feijão carioquinha (0,58%).

HORTIFRUTI

Aparecida Isabel Santos, proprietária de uma hortifruti dentro do ECAJ, afirma que a seca está prejudicando as plantações do seu sítio. "Essa chuvinha da semana passada deu uma ajudada, principalmente as goiabas, o carro-chefe, que cresceram mais, mas a seca foi complicada. O rio da minha propriedade secou, além das geadas do inverno que queimaram as frutas", conta.

Segundo Aparecida, por conta dos prejuízos vindos do clima seco e da alta da energia elétrica, precisou reajustar os valores de sua venda. "Não aumento muito, pois não quero afastar os clientes. A conta de luz está um absurdo hoje em dia e usamos bastante para as maquinarias, como o motor que puxa a água para irrigar as plantas", afirma.

Apesar da queda de sua safra, Aparecida segue com boas vendas. "Não posso reclamar, conseguimos realizar os processos de irrigações e continuamos bem", ressalta.

De acordo com Alcides Cosin Júnior, gerente de uma hortifruti no ECAJ, o longo período de estiagem está prejudicando as vendas. "A irrigação não é a mesma coisa de uma chuva, após jogar água, irá secar de novo. A chuva já ajuda no controle de qualidade e na durabilidade dos alimentos, por exemplo", comenta.

Segundo Cosin, não há condições de ficar repassando para os clientes todo aumento do custo de produção. "Nossa margem de lucro chega a diminuir bastante em certos produtos, mas também não perdemos a clientela", pontua.

O hortifruti de Cosin não trabalha com produções próprias e depende dos fornecedores. "Após a geada, houve uma diminuição de muitos produtos, as produções caíram demais. Alguns já estão voltando ao normal, mas aqueles alimentos que possuem ciclos maiores, em torno de 90 dias, ainda estão escassos", explica.

A abobrinha brasileira chegou a sumir nas prateleiras da hortifruti. "Nós não encontrávamos em lugar nenhum, mas hoje em dia, estão retornando. Há umas semanas atrás, a batata e o tomate estavam dando muito prejuízo para os produtores também", conta.

CARNES

Para Leandro Cassaro, proprietário de um açougue no Jardim Santa Teresa, o aumento do preço das carnes, nesta época, costuma ser algo normal. "A estiagem obriga o boi a ir para o confino se alimentar, por conta da falta de pasto, aumentando o custo de produção e o valor da carne", ressalta.

Cassaro afirma que o período da estiagem se alongou demais em 2021. "Tivemos constantes reajustes de valores, além do aumento da conta de energia, pois no calor, o trabalho das máquinas no frigorífico aumentam consideravelmente. Elas estão consumindo energia como se fosse verão, mas em pleno inverno", diz.

De acordo com Cassaro, mesmo com a alta dos preços, o consumo continua estável. "Os clientes continuam vindo e todo aumento repassado, nós seguramos ao máximo, justamente para o cliente não sentir. Economizamos em algum lugar, em alguma despesa, para evitar o repasse", pontua.

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: