Jundiaí

Prática do "Detox Virtual" traz benefícios para saúde mental


ARQUIVO PESSOAL
A psicóloga Priscila Menegaço fala de benefícios para saúde mental
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

Jovens relatam que se afastar do ambiente virtual trouxe diversos benefícios para a saúde mental. A prática conhecida como "detox virtual" surgiu com a necessidade de otimizar o tempo e encerrar a sensação de estar ativo no momento de descanso, com o intuito de desacelerar.

Com a pandemia, as interações virtuais se intensificaram e a internet passou a ser utilizada como ferramenta de estudo, trabalho e lazer. O estudante Gabriel Domiciano, de 22 anos, conta que sentiu que o uso das redes era uma extensão do trabalho, já que até o seu lazer era virtual. "Comecei a sentir que estava sempre trabalhando, sempre fazendo alguma coisa, mesmo que o intuito fosse descansar. Observar o feed de notícias das redes se tornou cansativo", relata.

A estudante Maria Eduarda Fonseca de Lima, de 19 anos, diz que se afastou da internet porque sentia que estava perdendo tempo. "Ao entrar nas redes sociais, eu sempre pensava que deveria estar fazendo outras tarefas. Sentia que estava perdendo tempo. Eu poderia estar estudando, conversando com a família e fazendo outras coisas que acabei perdendo", conta.

Priscila Menegaço Boraschi, de 39 anos, é psicóloga e psicanalista e explica que o afastamento das redes pode ser muito benéfico. "Se a pessoa tem um vício, o afastamento pode ser benéfico. As redes podem causar um estrago mental ou uma alienação muito grande, e isso depende da compreensão de uso de cada indivíduo", explica.

Além disso, é importante que o processo de "detox virtual" seja voluntário. "Se o indivíduo percebeu que o uso das redes está fazendo mal, o afastamento deve ocorrer voluntariamente", completa Priscila.

AFASTAMENTO DAS REDES

O processo de afastamento de Gabriel Domiciano não foi gradual. "Desativei todas as minhas redes sociais de uma vez. Fiquei 2 semanas sem acessar nada, me limitei muito e me senti excluído da sociedade, porque na pandemia quase tudo é virtual", disse.

Entretanto, atualmente o estudante ainda faz pouco uso das redes. "Agora eu não acho que seja necessário se desligar completamente, pois consigo fazer um uso das redes mais consciente", completa o estudante.

Para Maria Eduarda, se afastar das redes sociais não foi uma decisão muito difícil. "Eu não era uma pessoa tão conectada, tive uma integração nas redes tardia, fui ter Instagram por volta dos 15 anos. Assim que percebi que estava viciada decidi parar de vez", relata.

SAÚDE MENTAL

O principal motivo para Maria Eduarda se afastar das redes foi para cuidar da saúde mental. "Se afastar fez muito bem. Eu ficava horas no celular, sem nem prestar atenção nas postagens, era automático. Percebi que eu ficava mais cansada depois e utilizar o celular, também tinha muita dor de cabeça", conta.

Além disso, a estudante relata que aumentou a produtividade. "Minha rotina está mais produtiva. Ao acordar, a primeira coisa que eu fazia era olhar o celular. Hoje não tenho mais esse costume e consigo me concentrar mais", completou.

Gabriel Domiciano conta que ele tem curiosidade em saber o que está acontecendo na internet e pensa nisso durante o dia. "É engraçado, porque mesmo sem estar na rede social eu penso no que pode estar acontecendo nela, sinto que estou perdendo algo, é um vício", disse o estudante.

O fenômeno de sentir que está perdendo algo é chamado de 'Fear of Missing Out' ou Fomo, em tradução livre, medo de ficar de fora. A psicóloga e psicanalista explica que nesse cenário, o que ocorre é a sensação de que a escolha significa uma renúncia. "O Fomo se caracteriza pelo medo de ficar de fora, e é algo que se integrou nas redes sociais. Na internet há a questão do conteúdo que se torna viral, das curtidas e a curiosidade em saber o que está em alta no mundo virtual", explica.

NOVOS HÁBITOS

Quando está distante do celular, Maria Eduarda costuma ler e estudar, já que está em período pré-vestibular. Além disso, também prefere assistir filmes e estar na companhia da família do que passar o tempo on-line nas redes.

Durante o tempo livre, Gabriel Domiciano criou o hábito de andar de bicicleta após seu "detox virtual". O estudante acredita que o afastamento foi essencial para que ele desacelerasse da rotina de estudos e trabalho. "Eu estou simplesmente vivendo o momento. Passei a entender que as coisas tem tempo, processos e etapas, e cada história é uma história singular, e descansar é essencial", afirma.

(Caroline Adrielli)


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: