Jundiaí

Streamers reinventam entretenimento on-line

JOGOS AO VIVO Jovens estão investindo em seus computadores para ser streamer por hobby


                            ALEXANDRE MARTINS
Marcos Nikel, de 19 anos, intercala os estudos com as lives que realiza na plataforma da Twitch no tempo livre
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Jovens estão investindo em seus computadores e reinventando o entretenimento on-line por hobby. Os chamados "streamers" fazem lives de conteúdos audiovisuais de jogos através de ferramentas de transmissão ao vivo na internet. Pessoas que não costumam jogar, gostam de assistir aos streamers jogando.

Com a digitalização do entretenimento, que se intensificou com a pandemia, streamers estão investindo em seus computadores para que eles sejam compatíveis com os jogos e com a Twitch Tv, plataforma de transmissão mais utilizada.

Muitos têm o desejo de ser streamer desde cedo, mas o computador fraco é o principal aspecto que impede o sonho de se tornar realidade. Marcos Nikel Leite Machado, de 19 anos, é estudante de nutrição e streamer nas horas vagas.

Marcos Nikel diz que tem vontade de ser streamer desde os 14 anos. "Sempre tive vontade, mas meu computador era muito fraco na época, não suportava os programas necessários. Hoje troquei por um computador melhor, mas ainda não é o ideal", disse o estudante.

Para ser streamer, é preciso ter um bom computador e também equipamentos periféricos de qualidade, como fone de ouvido, microfone, câmera e uma boa iluminação.

Leonardo Takeo Fujiyama, de 21 anos, só conseguiu adquirir os equipamentos necessários após ser empregado como operador de qualidade. Ele conta que investiu cerca de 8 mil reais em seu computador para dar início às lives. "Após ser efetivado na empresa decidi investir para ser streamer. Por enquanto, eu faço somente por hobby no tempo livre", conta o operador de qualidade.

Além do investimento financeiro, também é necessário investir tempo. Leonardo Takeo tem um cronograma de horários, e costuma ficar on-line por cerca de 2 horas a 4 horas e meia.

Diferente de Marcos Nikel, que não tem rotina e fica ao vivo somente quando tem tempo livre. "Eu faço as lives no período da manhã porque estudo à noite. Não tenho uma rotina de horários, faço por lazer", afirma.

MOTIVAÇÃO

Takeo se inspirou no Alanzoka, um streamer profissional que tem cerca de 5 milhões de seguidores na plataforma. "Teve um momento da minha vida que assistir às lives do Alanzoka me ajudou muito, então eu decidi que queria ajudar as pessoas também, seja promovendo risadas ou interagindo com elas pelo chat", relata.

Ajudar outras pessoas também foi o princípio de Nikel com as lives. Ele se sentiu motivado pelos amigos, que afirmavam que ele tinha potencial para dar dicas de jogabilidade e ensinar outras pessoas. "Eu tenho facilidade com League Of Legends, jogo muito bem, e com as lives pretendo ensinar o que eu sei sobre o jogo", conta o estudante.

INVESTIMENTO

O tamanho do investimento inicial do streamer é compatível com os jogos que ele joga e com o nível de qualidade de transmissão que ele pretende entregar. Alguns jogos exigem mais do sistema do computador do que outros, além disso, a qualidade gráfica da transmissão também depende dos equipamentos periféricos.

Nikel investiu cerca de 3 mil reais no seu computador, o que atendia suas necessidades no início. Entretanto, ele conta que atualmente pretende investir mais. "Eu costumava fazer lives de um jogo chamado League Of Legends, mas com o lançamento do jogo Valorant no ano passado, percebi que para transmitir a novidade eu precisaria fazer melhorias no meu computador, que ainda não é o ideal", relata.

OBJETIVOS

O objetivo de Leonardo Takeo é transformar o streamer em profissão, mas por enquanto é apenas um hobby. "Atualmente eu trabalho em outra área e faço apenas por hobby, mas espero futuramente ter condições de ser profissional", explica o operador de qualidade.

Ele diz que viver das lives é um processo que leva tempo. "Ser profissional e viver disso é muito complicado, leva tempo e não é fácil", completa.

Além disso, o sucesso depende da constância nos horários para conquistar um público fixo. Marcos Nikel conta que quando não se tem um canal grande, isso fica ainda mais difícil. "Para gerar rendimentos, é necessário um público fiel te apoiando todos os dias, com doações e inscrições no canal, e nada disso não é garantido todos os meses", explica.

SIGA NAS REDES

@takeo_fuji

@nikeelwz


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: