Jundiaí

Qualidade do Rio Jundiaí fortalece a segurança hídrica regional

MEIO AMBIENTE O tratamento de esgotos teve uma participação fundamental na melhora da qualidade do Rio Jundiaí que voltou a ter peixes ao longo do curso


DIVULGAÇÃO
Sua reclassificação para a classe 3, que aconteceu em 2017, acena com a possibilidade de que o rio se torne uma alternativa para suprir as necessidades da região
Crédito: DIVULGAÇÃO

Neste mês de setembro, mas precisamente no último dia 23, foi comemorado a Semana do Rio Jundiaí, um importante rio do estado de São Paulo que atravessa as cidades de Mairiporã, Atibaia, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Jundiaí, Itupeva, Indaiatuba e Salto.

Sua reclassificação para a classe 3, que aconteceu em 2017, acena com a possibilidade de que o rio se torne uma alternativa para suprir as necessidades da região num futuro próximo.

A gerente Ambiental, Social e de Governança (ESG) da Companhia Saneamento de Jundiaí (CSJ), Ana Paula Fernandes Abrahão, explica que existe um trabalho intenso sendo realizado há quase 40 anos visando a despoluição do Rio Jundiaí. "E esse trabalho, que é fruto de uma grande união de esforços, investimentos e gestão foi o responsável por devolver a vida ao Rio Jundiaí", afirma.

"O trabalho realizado pelo município tem sido efetivo. A construção da Estação de Tratamento de Esgoto de Jundiaí (ETEJ), em operação desde 1998, contribuiu significativamente para a despoluição do Rio Jundiaí", completa.

Um importante indício que os esforços produziram resultados positivos é o retorno de vários peixes, entre eles o peixe Jundiá, que deu nome ao rio e à cidade. "Os investimentos devem ser contínuos, assim como a melhoria nos processos de gestão. Ao controlar e mitigar sistematicamente os impactos ambientais no Rio Jundiaí, garantimos a melhoria da qualidade das suas águas e esse recurso passa a estar disponível para fortalecer a segurança hídrica regional em períodos de escassez".

TRABALHO

Fundada em 1996, a Companhia Saneamento de Jundiaí (CSJ) construiu a Estação de Tratamento de Esgotos de Jundiaí (ETEJ), com o objetivo de tratar todo o esgoto do município, coletado pela DAE Água e Esgoto S/A.

Este tratamento de esgotos teve uma participação fundamental na melhora da qualidade do Rio Jundiaí, que voltou a ter peixes, e foi reclassificado em 2017, permitindo a captação de suas águas para abastecimento público por outros municípios.

O Rio Jundiaí foi o primeiro rio brasileiro a melhorar de classe. Com o mesmo cuidado com o meio ambiente, o lodo produzido no processo é reciclado e vira fertilizante de uso seguro na agricultura.

A CSJ foi contratada em uma concorrência pública pela menor tarifa e passou a tratar o esgoto doméstico e industrial da cidade de Jundiaí, procurando sempre aprimorar sua operação, além de desenvolver projetos sociais de profissionalização, educação e conscientização.


Notícias relevantes: