Jundiaí

Vacinação é medida de prevenção contra raiva animal

A enfermidade é uma das mais perigosas do mundo pois pode afetar animais domésticos e pessoas


ARQUIVO PESSOAL
Veterinário André Antonucci reforça a importância da vacinação
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

Apesar de não haver campanha de vacinação em Jundiaí este ano, especialistas reforçam a importância da proteção para o animal. Segundo a Vigilância Ambiental (Visam) um caso de raiva foi registrado em um morcego contra sete em 2020.

A enfermidade é uma das mais perigosas do mundo pois pode afetar os animais domésticos e as pessoas. Hoje, ao se comemorar o Dia Mundial contra a raiva, a orientação de especialistas é quanto a vacinação como forma de proteção.

O veterinário André Antonucci, de 38 anos, alerta os tutores de que a doença não tem cura. "A vacinação é importante pois ela garante a prevenção. A raiva não tem tratamento e os animais contaminados podem ser submetidos à eutanásia", explica.

Essa zoonose é uma doença viral que atinge todos os mamíferos. O veterinário explica que cuidar da saúde do animal, também significa cuidar da saúde da família. "A raiva pode ser transmitida do animal para o ser humano, portanto vacinar o pet também é uma questão de bem-estar para as pessoas", completa.

O principal meio de contaminação é o contato com a saliva de um animal infectado. "A transmissão também pode ocorrer por contato direto com o animal infectado, como arranhadura, mordida ou secreção. A raiva não tem cura, e sua evolução pode causar o óbito", afirma o veterinário.

OBSERVAÇÃO

É indispensável que os tutores fiquem atentos e mantenham a carteira de vacinação dos cães e gatos em dia. Os animais podem receber a primeira dose da vacina antirrábica a partir de 12 semanas de idade, com reforço anual por toda a vida.

Além de gatos e cachorros, também existem vacinas disponíveis para animais de produção, como equinos, bovinos, caprinos, ovinos e suínos.

A prevenção dos pets se inicia com a vacina. A última campanha de vacinação em Jundiaí ocorreu em 2018 devido a não distribuição de doses por parte do Ministério da Saúde. Desde então, a recomendação é que o tutor procure uma clínica veterinária e mantenha o animal vacinado anualmente.

SINTOMAS

A salivação excessiva, mal-estar, febre, náuseas, dor de garganta, irritabilidade, mordedura, paralisia e convulsão são sintomas da raiva.

O veterinário diz que ao apresentar os sintomas, é importante que o tutor do animal procure uma clínica veterinária o mais rápido possível. "Em cães e gatos, estes sintomas seguidos da dificuldade de engolir a salivação levam a paralisia e a morte", explica.

Em Jundiaí, apesar de não haver campanha de vacinação contra raiva neste ano, a Visam afirma que outras atividades de monitoramento da doença no município não tiveram interrupções.

(Caroline Adrielli)

 


Notícias relevantes: