Jundiaí

Parreiras já têm brotos e safra deve ser maior que a de 2020

UVA A fruta tradicional em Jundiaí deve começar a ser colhida no meio de dezembro, mas a maior parte da safra é colhida no início do próximo ano


                 ALEXANDRE MARTINS
Miltom Molinari mostra que as uvas já estão brotando nas parreiras
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

As plantações de uva em Jundiaí já dão sinal de que a safra deve superar as 25 mil toneladas do ano passado. Os brotos já são visíveis nas parreiras e com os frutos a serem colhidos entre dezembro e janeiro os produtores estão confiantes, mas esperando por mais chuvas.

Segundo o presidente da Associação Agrícola de Jundiaí (AAJ), Renê Tomasetto, ainda não é possível estimar quantas toneladas a safra vai render, mas pode ser mais que a do ano passado, quando quase 25 mil toneladas de uvas foram colhidas. "Não temos estimativa ainda porque tem uma série de mudanças até chegar perto da maturação, quando a estimativa é mais concreta. Normalmente, quando poda o pé muito cedo, quando ainda está dormente, tem que quebrar a dormência para começar a maturar. As que são podadas agora, para janeiro, a dormência já foi quebrada naturalmente, então dá fruta muito mais rápido", explica Tomasetto.

Já sobre o clima deste ano, o presidente da AAJ diz que a uva precisará de chuva daqui a alguns dias. "Ainda aguenta mais umas duas semanas porque os produtores costumam fazer forração nos pés, para reter a umidade. Até o dia 15 do próximo mês aguentam, mas acredito que até lá comece o período mais chuvoso."

EXPECTATIVA

Produtor de uva no Caxambu, Miltom Molinari diz que ainda não tem expectativa para o fim do ano, pois os pés brotaram bem, mas foram podados tarde. "Para o Natal, não vai ter muita uva, mas para janeiro está prometendo uma colheita boa. Vi com meus vizinhos e acho que vai ser melhor neste ano do que no ano passado."

Ele diz que o clima está diferente do de outros anos, mas a fruta ainda está bem. "A uva está bem controlada ainda, o pé tem raiz funda, então vai buscar umidade. Mas ainda estamos esperando chuva. Se não chover, a gente fica sem expectativa mesmo. Há muito tempo não vemos um clima tão ruim."

Paulo Roberto Mazzetto, produtor de uva no bairro Aeroporto, diz que os brotos sinalizam uma safra melhor que a do ano passado. "A uva brotou bem, está chovendo na hora certa. Pela quantidade de brotos, a expectativa é que a safra vai ser maior que a do ano passado."

No entanto, por mais que o tempo seco seja bom para a uva, o excesso prejudica. "A gente espera que a colheita comece em dezembro ainda, a partir do dia 15, porém se se adiantar será melhor ainda. Precisa de um pouco mais de chuva porque o período da seca foi prolongado, além das noites frias. O contraste de dia quente e noite fria faz bem para a uva. Estamos perto da Serra, então para nós é bom quando esfria à noite."

Por outro, Gustavo Leme, produtor das uvas bordô e syrah no bairro Castanho, diz que a safra de dezembro e janeiro da bordô pode ser menor que a de 2020. "A gente fez a poda há duas ou três semanas e já tem broto. Vai começar a maturação em dezembro para a colheita esperada em janeiro. A syrah vai dar só em julho ou agosto do ano que vem."

Com relação ao clima, Leme acredita que a seca vem prejudicando o cultivo. "Temos que irrigar um pouco mais neste ano do que em outros que tiveram chuva normal, mas, pelo tempo seco, o lado bom é que não dá fungo no pé da uva. Até pelo clima, acredito que a safra vá ser um pouco menor que a de 2020, que foi muito boa."

NATAL

Outras frutas da época natalina também já têm flores e logo darão os brotos. "A lichia ainda não floresceu, mas depois da floração dela, é rápido para dar a fruta. Os pêssegos que já começaram a florescer e devem dar uma boa safra. A ameixa também já começou a florescer, mas também não tem estimativa de produção para essas frutas ainda."


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: