Jundiaí

Mais de 7 mil crianças são assistidas em Jundiaí

CADASTRO ÚNICO Crianças e adolescentes que estão no CadÚnico são acompanhadas por programas assistenciais


DIVULGAÇÃO
Cosma Souza está no CadÚnico e tem os filhos Nicolas e Nikácio atendidos pelo programa Criança Feliz
Crédito: DIVULGAÇÃO

Em Jundiaí, 8,3% das crianças em idade escolar estão inscritos no Cadastro Único (CadÚnico), ou seja, fazem parte de famílias socioeconomicamente vulneráveis. São 7.079 crianças e adolescentes de 0 a 17 anos que estão no CadÚnico, principal instrumento do país para a seleção e a inclusão de famílias de baixa renda em programas federais de assistência.

No município, há 85.346 crianças nessa faixa etária, segundo a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) ao todo, mas apenas esses 8,3% fazem parte de programas locais e federais de assostência social.

Uma das famílias assistidas é a de Cosma Souza, de 38 anos. Seus filhos, Nicolas, de 11 anos, e Nikácio, de dois, participam do programa federal Criança Feliz, que acompanha o desenvolvimento de crianças em situação de vulnerabilidade.

"O Nikácio e o Nicolas fazem atividade no Cras (Centro de Referência e Assistência Social) toda terça e às vezes fazem na sexta ou quarta, quando tem reunião no Cras", explica.

As atividades são manuais, mas Cosma diz que, com as aulas remotas da pandemia, Nicolas também podia ter acompanhamento dos estudos. "O Cras entrou em contato comigo, fui lá e explicaram como funcionava o Criança Feliz, aí eu disse que aceitava colocá-los. Faz um tempo que atendem meu filhos. O Nikácio tinha menos de um ano quando começou. Eles amam as atividades, fazem pintura, mexem com massinha que deixam aqui para eles brincarem. Elas perguntam para o Nicolas se precisa de ajuda com a escola, falam para entrar em contato que ajudariam no que fosse preciso."

A Prefeitura de Jundiaí aderiu ao Criança Feliz em 2017, que hoje é integrado aos programas municipal Cidade das Crianças e estadual São Paulo Pela Primeiríssima Infância.

Cosma está no CadÚnico há alguns anos, mas não recebe mais benefícios financeiros. "Faz um tempo que estou no CadÚnico, uns sete anos. Eu recebia Bolsa Família antes, mas, depois que me casei, cortaram porque meu marido trabalha. Fiz o cadastro no Poupatempo, depois renovei no Cras do meu bairro, Jardim Santa Gertrudes."

A mãe conta, ainda, que recebe outros suportes por estar no CadÚnico, além do Criança Feliz. "Ofereceram cesta básica, o que me ajudou demais durante a fase mais restritiva da pandemia. Também oferecem roupas e brinquedos para meus filhos. É muito bom. Quando eu recebia o Bolsa Família, ajudava no gás, no alimento, porque o que meu marido recebe só é suficiente para pagar contas. Tem que comprar o necessário para casa. Recebi o Auxílio [Emergencial] de R$ 600, as cinco parcelas, depois não recebi mais, mas ajudou muito. Foi a melhor coisa que fizeram por nós neste momento."

Para que uma família esteja no CadÚnico, ela precisa ter renda familiar per capita de até meio salário mínimo mensal, R$ 596,20. Segundo o Governo Federal, cerca de 127 milhões de brasileiros estão no CadÚnico, mas nem todos os que estão no CadÚnico têm acesso a benefícios assistenciais. Atualmente, pouco menos de 15 milhões de famílias recebem Bolsa Família no país.

Em Jundiaí, antes da pandemia, em fevereiro de 2020, 6.043 famílias viviam em pobreza ou extrema-pobreza. Ou seja, tinham renda per capita de R$ 0 a R$ 178 mensais. Em fevereiro deste ano, o número de famílias vivendo nestas condições subiu 4%, para 6.289 no município.

ASSISTÊNCIA

Jundiaí tem o projeto Cidade das Crianças, nele, há alguns programas, mas não são todos municipais, como é o caso do Criança Feliz, e também não necessariamente voltados a crianças em vulnerabilidade. Entre eles, há o Ruas de Brincar, o Mundo das Crianças e o Domingo no Parque.

A Prefeitura de Jundiaí informa que atende as famílias do CadÚnico, seja com o auxílio para a recepção de benefícios, já apresentados, seja com a oferta de atendimento oferecidos nos Cras ou no Creas (Centro Especializado de Referência e Assistência Social) que englobam o cuidado no desenvolvimento da criança.

As crianças registradas no CadÚnico também têm as famílias atendidas a partir do Banco de Alimentos, com a oferta de cestas verdes (com verduras, legumes e frutas recebidos) e a oferta de cesta básica.

Crianças de 7 a 12 anos também são atendidas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de vínculos, nos bairros Santa Gertrudes, São Camilo e Novo Horizonte. A partir de novembro o atendimento será ampliado para outros bairros. Há o Serviço Família Acolhedora também, este voltado ao acolhimento temporário de crianças afastadas do convívio familiar.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: