Jundiaí

Em Jundiaí, 475 pessoas receberam diagnóstico contra osteoporose


                 ALEXANDRE MARTINS
Maria de Oliveira foi diagnosticada com osteoporose após uma queda
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Conhecida por ser uma doença que enfraquece os ossos, aumentando o risco de fraturas após os 50 anos, a osteoporose tem acometido mais mulheres segundo o Ministério da Saúde. Em Jundiaí, de acordo com dados da Unidade de Gestão de Promoção de Saúde (UGPS), este ano 475 pessoas receberam diagnóstico positivo para osteoporose e estão sendo atendidas nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Ao ser lembrada hoje no Dia Mundial e Nacional da Osteoporose, especialistas reforçam a importância sobre os os riscos, já que é uma doença comum, porém silenciosa.

Só no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HSV), que oferece tratamento e prevenção da doença através da linha de cuidados ao idoso pelo Sistema Único de Saúde (SUS), são mais de 800 pacientes em tratamento.

Segundo o ortopedista Rogério Savoy, de 47 anos, a osteoporose é mais comum em mulheres no período da menopausa. "Uma em cada três mulheres após os 50 anos tem ou terá osteoporose, o que coincide com a menopausa", afirma.

Apesar de as mulheres serem as mais afetadas, Savoy explica que os homens também devem ficar atentos as causas. "Além do período da menopausa para as mulheres, a osteoporose também atinge os homens e pode ser hereditária ou causada por problemas externos, como excesso de álcool, baixa vitamina D devido à falta de sol, dieta pobre em cálcio e o tabagismo", completa o ortopedista.

A osteoporose é indolor, portanto, é comum que o paciente seja diagnosticado somente após a primeira fratura. Assim aconteceu com Maria Aparecida Ferreira de Oliveira, de 65 anos, que há 2 anos foi diagnosticada com osteoporose após uma queda. "Eu caí no mercado de costas. Depois dessa queda fui diagnosticada com a doença. Eu estava com cerca de 27 fraturas na coluna", relata.

PREVENÇÃO

O ortopedista recomenda que os indivíduos busquem o diagnóstico através de exames, pois é uma doença silenciosa. "Observar o histórico familiar e fazer exames é importante, pois a doença também é hereditária. Para prevenir a osteoporose recomendo cuidar da alimentação, fazer atividades físicas e tomar sol para manter os níveis de vitamina D adequados", explica Savoy.

TRATAMENTO

É importante que após o diagnóstico o tratamento seja incentivado e realizado, pois os ossos podem quebrar com facilidade. "O tratamento é individual e serve para evitar as fraturas. Além dos remédios, o tratamento é baseado na dieta e na realização de atividades físicas em conjunto com os remédios", detalha o ortopedista.

Para Maria Aparecida, o tratamento foi essencial para diminuir as dores. "Eu estava muito mal, não conseguia ficar em pé. Graças ao tratamento que estou realizando hoje minha coluna não trava e não sinto mais dores", conta a paciente.

(Caroline Adrielli)


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: