Jundiaí

Rami e Agapeama apresentam maior número de larvas


DIVULGAÇÃO
Soldados percorreram residências para orientar a população
Crédito: DIVULGAÇÃO

A avaliação de densidade larvária (ADL) realizada por equipes da Vigilância em Saúde Ambiental (Visam), órgão ligado à Unidade de Gestão de Promoção de Saúde (UGPS) identificou que Jundiaí, no geral, está em situação satisfatória (0,7), com baixa infestação, mas há regiões em que a ocorrência de larvas do mosquito Aedes Aegytpi se destaca e coloca os bairros em situação de Alerta.

Os bairros com maior coleta de larvas foram Vila Rami e Agapeama. Entre os criadouros com água identificados, 1.041, 28 estavam com larvas, sendo 25 com larvas de Aedes aegypti, ou seja, 89%. Em três ou quatro dias os criadores contariam com mosquitos adultos, capazes de transmitir as arboviroses.

A avaliação foi realizada em 5.232 imóveis visitados em toda a cidade. Para a avaliação, foram divididas em oito áreas, geográficas. Do total de residências visitadas, 4.727 apresentada criadouros sem água, porém expostos à chuva, possibilitando a criação de mosquitos.

"Os mais comuns permanecem sendo os pratos das plantas, latas e frascos não utilizáveis, garrafas retornáveis, lonas e plásticos, baldes, bromélias e garrafas descartáveis. Itens que a s pessoas possuem nas casas e, se não observados com cuidado, podem se transformar em criadouros", comenta a biomédica da Visam, Ana Lúcia de Castro.

OBSERVAÇÃO

Com a chegada das chuvas com maior frequência, o cuidado com os ambientes domésticos é essencial para interromper o ciclo do mosquito transmissor de dengue, zika chikungunya e febre amarela.

"Em todo o território teve presença do Aedes com infestação baixa. Se as residências continuarem a oferecer criadouros, o mosquito vai se estabelecer e, em 2022, uma infestação maior será ocasionada e levará risco à saúde", salienta a biomédica.

Durante todo o ano, as equipes da Visam realizam o monitoramento das arboviroses, com ações de vigilância, orientação e bloqueio. No mês de outubro, em ação conjunta com o 12ª Grupo de Artilharia de Campanha (GAC) Barão de Jundiahy, soldados percorreram a cidade com os agentes da Visam orientando a população para a eliminação de recipientes que possam se transformar em criadouros de mosquitos Aedes aegypti.

REGISTROS

Entre os dias 1 de janeiro e 28 de setembro, foram registrados em Jundiaí 390 casos de dengue, sendo os mais evidentes na Vila Comercial (117); Jd Florestal (28); Vila Hortolândia (18), Jardim Tulipas (15); e Vila Rami (13).

(Da Redação)


Notícias relevantes: