Jundiaí

Cresce a procura por viagens com propósito

SOLIDARIEDADE O trabalho voluntário é um programa que permite fazer uma série de boas ações, oferecendo ajuda humanitária ou ambiental


                ALEXANDRE MARTINS
A nutricionista Natália Pereira Silva decidiu fazer uma viagem voluntária para Suez, no Egito, em 2017
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Viajar, conhecer outros países e, ao mesmo tempo, fazer trabalho voluntário é uma forma de viagem com propósito. Chamada de viagem solidária, turismo social ou "férias do bem" vem atraindo cada vez mais viajantes.

De acordo com uma pesquisa realizada em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 7,2 milhões de pessoas realizaram atividades de trabalho voluntário, o que corresponde a 4,3% da população do País.

O trabalho voluntário no exterior é um programa que permite fazer uma série de boas ações enquanto conhece novas culturas, ao mesmo tempo, oferecendo ajuda humanitária ou ambiental. Ações solidárias também costumam ser muito bem vistas em currículos, um trabalho voluntário fora do País agrega ainda mais valor à experiência.

Gustavo Leutwiler Fernandez, de 35 anos, é autor do livro "Africanamente: o que vivi e aprendi como voluntário na África" e já realizou cinco viagens com propósito para o exterior, com destinos para África do Sul, Zimbábue, Etiópia e Palestina. "Meu sonho era ser voluntário na África porque tenho muito contato com a cultura afro brasileira, principalmente por conta da minha religião, a umbanda", diz.

Fernandez conta que, quando chegou a África, quebrou vários estereótipos relacionados à pobreza e vida selvagem. "Fiquei encantado com a riqueza africana e encarei como meu propósito de vida a missão de ajudar a quebrar os estereótipos desses grupos historicamente definidos por uma ideia restrita de quem são. Foi isso que me fez voltar tantas vezes à África e, depois, ir à Palestina", afirma.

Em suas viagens, o voluntário exerceu o trabalho de ajudar crianças necessitadas, realizar pesquisas e registrar fotos para os pesquisadores ambientais. Para Fernandez, fazer parte de uma ação voluntária é uma oportunidade de conhecer lugares sem se limitar àquilo que aparece na televisão. "É uma forma mais sustentável e divertida de viajar, porque você vive experiências autênticas e se conecta de verdade com as pessoas da região", diz Fernandez.

Com o voluntariado, viagens que seriam apenas um simples entretenimento acabam se tornando uma rica experiência, beneficiando não só a quem viaja, mas também pessoas que precisam de ajuda e apoio.

A nutricionista Natália Pereira Silva, de 26 anos, escolheu participar de projetos sociais em Suez, no Egito, onde em um de seus projetos, realizou um trabalho de revitalização em uma escola infantil. "Semanalmente, íamos para a comunidade realizar os nossos trabalhos, visitávamos a população, conversávamos com adultos e crianças e os orientava sobre questões relacionadas à saúde e à educação", afirma a nutricionista.

A ideia de fazer uma viagem voluntária para o Egito surgiu quando Natália realizou pesquisas com ênfase na saúde pública, alimentação e nutrição infantil. "Eu sentia a necessidade de aplicar os conhecimentos teóricos e queria que fosse algo diferente do que eu já tinha experienciado aqui no Brasil." Para Natália, a viagem solidária trouxe grandes aprendizados e uma experiência única. "Muitos pensam em ir para ajudar e para ensinar, o fato é que nós aprendemos mais do que ensinamos. A ajuda dada à comunidade é consequência, ela se dará pela troca de experiência", completa. 

O trabalho voluntário é feito do esforço de quem se dispõe a trabalhar pelo outro. Mas, ao mesmo tempo, também é um caminho onde o esforço é convertido em retribuição. Todo o gasto de energia dispensado é transformado, num caminho inverso, em aprendizado, contato humano, satisfação e convivência com o diferente.

Para quem pretende ou tem vontade de fazer uma viagem de ação solidária, Fernandez afirma para não haver ansiedade. "Esteja de coração e mente abertos para o novo, não crie nenhum tipo de expectativa em relação às boas ações que você pretende fazer. O importante é não focar necessariamente no resultado prático do voluntariado, mas estar muito envolvido com a troca cultural e de experiências com a população local. Se o voluntariado te fez enxergar o mundo e a vida de forma mais consciente, te fez evoluir como pessoa, então valeu a pena", completa o voluntário.

Em Jundiaí, agências de viagens e intercâmbios oferecem programas de voluntariados no exterior para diversos destinos. Para ser um voluntário, você precisa ter mais de 18 anos e ter proficiência intermediária no idioma do país escolhido. Fazer trabalho voluntário é sinônimo de empatia, sendo assim, o voluntariado precisa entender o tamanho da responsabilidade que está assumindo. O trabalho voluntário não é remunerado e existem diferentes modalidades. 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: