Jundiaí

Em Jundiaí, 30 mil ainda não pagaram o IPVA

QUITAÇÃO O imposto do próximo ano deve aumentar, por conta da inflação de veículos do último ano


      ALEXANDRE MARTINS
Jeremias Santana lamenta o aumento em um momento de crise
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Em Jundiaí, 30.577 veículos ainda estão em débito com o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2021, segundo a Secretaria da Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo (Sefaz-SP). De acordo com o Detran, a frota de veículos em Jundiaí neste ano supera os 335 mil, ou seja, cerca de 9% da frota está em débito totalizando R$ 21.916.745,49, atualizados com multa e juros de mora.

Valor que pode acumular por conta de um possível aumento do imposto para 2022. O mecânico Francisco Rodriguez, de 20 anos, precisará utilizar o salário de janeiro para o pagamento. "Vai ser difícil porque o salário não está lá essas coisas. Chega fim do ano, tem que fazer as compras, roupa, presente para os filhos, então acaba não sobrando do 13º. Tem que pagar com o salário de janeiro. Tomara que não seja muito, senão, onde vamos parar?"

O aposentado Jeremias Santana, de 87 anos, é proprietário de um veículo e lamenta que haja aumento, por conta da situação econômica atual. "Espero que pensem na pandemia, que gerou muito desemprego, desigualdade financeira. Eu mesmo estou há três anos desempregado. Sou aposentado, mas recebo o mínimo. Deram o 13º no meio do ano ainda. A coisa está difícil. Nem pensei ainda como vou pagar o IPVA do ano que vem."

A motorista de aplicativo Tatiane Melo, de 31 anos, acredita que os pagamentos feitos por motoristas não têm tido retorno. "A gente sabe que vai vir caro, só isso. Subiu o preço de carro, qualquer um está bem mais caro. Tudo subiu, na verdade, só melhoria que não. Tem IPVA, pedágio, mas o asfalto continua daquele jeito. Só vou ver o que fazer quando chegar a data de pagar, não tenho 13º porque não trabalho registrada. Só vou decidir o que fazer quando chegar o dia."

MAIS AUMENTO

Ainda de acordo com a Sefaz-SP, não há, por ora, os valores dos veículos que servirão de base de cálculo para o lançamento do imposto de 2022. A tabela de valores venais, encomendada de maneira específica pela Sefaz-SP à Fipe, tem publicação prevista em dezembro. O calendário do IPVA 2022 segue em elaboração e a alíquota de IPVA permanece em 4% no estado.

Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), entre outubro de 2020 e outubro de 2021, automóveis novos tiveram alta de 11,3%, usados subiram 8,4% e motocicletas novas aumentaram 7,8%. O preço dos veículos compõe o valor final do IPVA, junto à alíquota, então essa inflação terá reflexo no imposto.

Auxiliar de despachante, Cezar Silva diz que só há rumores sobre o aumento por enquanto. "Só saiu que pode subir em torno de 40%. Normalmente, a tabela sai no fim de novembro, mas não saiu ainda neste ano. Quem não pagou o IPVA deste ano ainda, tem que tentar financiar a dívida. Tem juros assim, mas é baixo e ajuda quem quer regularizar o veículo. É melhor aproveitar o começo do ano para pagar o IPVA, fazer o financiamento em até 12 parcelas. Antes ainda demorava um ano para a dívida ir para o Cadin, agora vai em seis meses."

A Sefaz-SP esclarece que o contribuinte que deixa de recolher o imposto fica sujeito a multa de 0,33% por dia de atraso e juros de mora com base na taxa Selic. Passados 60 dias, o percentual da multa fixa-se em 20% do valor do imposto. Permanecendo a inadimplência do IPVA, o débito será inscrito em Dívida Ativa, além da inclusão do nome do proprietário no Cadin Estadual, impedindo-o de aproveitar eventual crédito que possua por solicitar a Nota Fiscal Paulista. A partir do momento em que o débito de IPVA estiver inscrito, a Procuradoria Geral do Estado poderá vir a cobrá-lo mediante protesto.

Todas as informações sobre o IPVA estão disponíveis em https://portal.fazenda.sp.gov.br/servicos/ipva.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: