Jundiaí

Aeroporto de Jundiaí busca a internacionalização

REDE VOA Empresa, com sede em Jundiaí, vai administrar 16 aeroportos, 60% da malha aeroviária do Estado, com foco em desenvolvimento de negócios


DIVULGAÇÃO
Aeroporto Rolim Amaro, de Jundiaí, é uma das principais rotas executivas do País e opera 24h por instrumentos
Crédito: DIVULGAÇÃO

A magnífica Serra do Japi é uma das paisagens mais exuberantes dos aeroportos da Rede VOA - cuja sede fica no Aeroporto Rolim Amaro, em Jundiaí, principal rota de aviação executiva do Estado. A Rede é composta ainda por mais 15 aeroportos, representando 60% da malha viária estadual. Ao lado de aeroportos de Ribeirão Preto, Campinas e Sorocaba, Jundiaí também passa por processo de internacionalização de voos.

Desde maio de 2021, fortalecido pela homologação de voos por instrumento (IFR), o aeroporto Comandante Rolim Amaro opera durante 24 horas e, graças a parcerias municipal e estadual, participou ativamente no combate a incêndios na Serra do Japi e Região, além de recebimento de medicamentos e insumos durante a pandemia e transporte de inúmeros pacientes que foram deslocados para Jundiaí ou Capital.

Com o IFR, a intenção é que rotas internacionais também possam operar nestes aeroportos - levando a destinos como América do Sul, Central, Caribe ou EUA em voos executivos.

Atualmente, o sítio aeroportuário de Jundiaí emprega 600 pessoas, gerando mais de 2.000 vagas indiretas. Daqui, ocorrem mais de 4,5 mil decolagens por mês e mais de 120 mil pessoas passam pelo aeroporto ao ano. Há quatro meses, o governo municipal implantou a alíquota de 2 % de ISS (Imposto sobre Serviços) em toda a zona aeroportuária, garantindo que novos negócios aportem no local. "Jundiaí o principal aeroporto executivo do Estado e possui linhas comerciais partindo daqui. Nossa intenção é que tenhamos mais investimentos privados, beneficiados pelo ISS e pela excelente qualidade de vida que encontramos na cidade", afirma o presidente da Rede VOA, Marcel Moure.

O prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, afirma que a redução do ISS no entorno do aeroporto estimula novos hubs. "Isso significa novos investimentos e empregos para a cidade."

O escopo de negócios da empresa não passa somente pela gestão aeroportuária, mas pelo desenvolvimento de negócios em toda a área. "Temos um shopping, no conceito strip mall, sendo construído no sítio aeroportuário em Ubatuba, um Centro de Distribuição (CD) Logístico no aeroporto de Campo dos Amarais em Campinas, bem como novos hangares chegando em nossos aeroportos, além de uma gama de oportunidades em todo o interior", afirma Moure.

Desde a concessão dos primeiros cinco aeroportos à VOA (Jundiaí, Itanhaém, Ubatuba, Bragança Paulista e Campinas), Jundiaí vem recebendo investimentos expressivos para melhorar a navegabilidade do aeroporto. Além do voo por instrumento, o aeroporto recebeu novo sistema de sinalização (RNAV) e PAPI (apoios visuais à navegação aérea). Um novo conceito de gerenciamento remoto de informações de voos (Central R-AFIS) foi implantado em Jundiaí, possibilitando o fornecimento de conteúdo de condições de tráfego e meteorológicas, a partir de Jundiaí para todos os demais quatro aeroportos da empresa. Ainda em fase final de homologação, será o primeiro desse segmento implantado em todo o território brasileiro.

Essa qualidade e eficiência poderão ser aproveitadas para os demais 11 aeroportos, cuja concessão foi definida em leilão realizado em julho. Nos próximos meses, a Rede VOA realizará o processo de transição operacional para assumir a gestão destes novos sítios aeroportuários no interior de São Paulo.

"O desenvolvimento dos aeroportos tem de estar alinhado ao desenvolvimento de cada cidade. Por isso, nossa primeira atitude é conhecer o Plano Diretor para que nossos planos estejam sempre ao lado dos anseios do município e da sociedade", afirma Moure.

SUSTENTABILIDADE

Orientados pelo ESG (práticas ambiental, social e de governança), os aeroportos da Rede VOA seguem às normas ambientais, cumprindo rigorosamente a legislação, com sustentabilidade e compromisso social. Por conta deste reconhecimento, a empresa firmou contrato de compensação de emissão de carbono (Carbon Off Set) com a empresa britânica Air BP, uma das maiores distribuidoras mundiais de combustíveis, para compensação ambiental. A Rede VOA foi a primeira na América do Sul a conseguir que o combustível usado pelas aeronaves em Jundiaí tenha compensação em projetos de reflorestamento, definidos pela matriz no Reino Unido e validados pelas instituições brasileiras.

Esse contrato foi assinado durante a Aviatrade, primeiro evento de aviação geral no pós-covid, realizado em Jundiaí, em setembro. A feira gerou R$ 10 milhões em negócios, com mais de 3,5 mil visitantes.

Esse padrão de investimentos e de segurança aérea darão o tom aos novos aeroportos da Rede. "Temos, nessa Jundiaí de 365 anos, tradição e investimentos-modelo para todo o Interior. É uma honra compartilhar com os jundiaienses a inovação tecnológica que desenvolvemos aqui, assim como a empregabilidade e negócios que o sítio aeroportuário gera", finaliza Moure.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: