Jundiaí

Novembro tem saldo de 675 vagas em Jundiaí

RETOMADA O comércio foi o setor que acumulou o maior saldo, chegando a 638 postos abertos


                                      ALEXANDRE MARTINS
Denise Rosa de Souza Lima foi contratada depois de temporária
Crédito: ALEXANDRE MARTINS

Neste ano, até o mês de novembro, Jundiaí teve 10.639 postos de trabalho abertos a mais que os fechados. Só no último mês, o saldo positivo foi de 675 vagas, com destaque para o Comércio, que abriu 638 postos, seguido pelos Serviços (136) e Agropecuária (1). Os setores de Indústria (-2) e Construção (-98), fecharam o último mês com saldo negativo.

Boa parte das contratações do varejo no fim do ano é de temporários, mas a possibilidade de efetivação anima esses profissionais para 2022. Um dos temporários contratados em novembro em Jundiaí foi o caixa Uelber Santos Bastos. "Fui contratado no dia 23 de novembro. Eu já morei em Jundiaí, mas não sou daqui, tinha chegado de Curitiba e estava desempregado há dois meses. Soube que estavam contratando aqui e vim trazer o currículo. Depois me chamaram para entrevista, teste e deu certo, foi tudo bem rápido. Fui contratado temporário, mas tenho expectativa de dar tudo certo e eu ser uma contratação futura."

A gerente do outlet de roupas onde Uelber trabalha, no Centro, Edileia Alves diz ter começado as contratações justamente em novembro. "A gente fez seleção de currículos antes, mas começamos a contratar em novembro. Neste ano houve uma demanda grande para o Natal, já esperada, e conseguimos contratar um pessoal de muita qualidade. Temporário fica até o começo de fevereiro por causa das trocas de roupas, mas vai ter efetivação. Fico até chateada de não poder ficar com todos", lamenta.

Proprietário de outra loja, Fabiano da Luz fala que trabalhou no fim deste ano com todos os funcionários novos, mas contratou 10 e vai efetivar cinco. "Agora estou mandando embora, mas seu eu pudesse deixava todo mundo na minha loja. Foi a primeira vez que todas as contratadas se dedicaram. Tenho loja há anos e nunca tinha acontecido isso. Quando abri vaga, não teve muita gente procurando, mas as que vieram foram as que realmente queriam trabalhar", diz ele sobre as funcionárias que entraram na loja entre novembro e dezembro.

Uma das efetivadas na loja foi a vendedora Denise Rosa de Souza Lima. "Eu estava desempregada há duas semanas e vim para o Centro entregar currículo. Conversei aqui e no outro dia fiz teste e deu certo. Eu me dediquei bastante", relata.

SETOR

Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomercio) e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Jundiaí, Edison Maltoni, o aumento de contratações em novembro já era esperado, devido à demanda do Natal. "É a data mais aguardada pelo varejo e é responsável pelo aumento das vendas no setor em dezembro, o que demanda o reforço de profissionais."

"Já no setor de Serviços, os dados são alavancados pela recuperação de vagas inclusive nas áreas de gastronomia e hotelaria, após a reabertura das atividades econômicas. Os setores de Comércio e Serviços estão entre as atividades que nos últimos meses do trimestre estão apontando para uma reação que ao menos mostra um alento para esses segmentos e toda a cadeia produtiva que os cerca", completa Maltoni.

Presidente da Associação Comercial Empresarial (ACE) de Jundiaí, Mark William Ormenese Monteiro diz que a demanda represada estimulou as contratações. "De acordo com pesquisas realizadas pelo Instituto de Dados da ACE de Jundiaí, desde o início de 2021, a geração de vagas de empregos formais no município vem se mantendo positiva em relação às demissões, como reflexo da queda do isolamento social e redução das medidas restritivas no comércio."

"Com o relaxamento das restrições e queda no isolamento social, a demanda represada estimulou a recuperação, mesmo que gradual, no volume de vendas no varejo, refletindo diretamente no aumento de novas vagas de empregos no setor. O saldo positivo na geração das vagas demonstra a força do comércio na economia da cidade", avalia.

O prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, destaca a meta de geração para o próximo ano. "Como sempre digo, Jundiaí boa é cidade que tem emprego. Por isso, a atração de empresas e a melhoria do ambiente econômico da cidade são metas permanentes e, em 2022, não será diferente."


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: