Jundiaí

Como recarregar as baterias para um 2022 mais leve e tranquilo


ARQUIVO PESSOAL
A psicóloga Júlia Biazzi sugere algumas dicas para reduzir a ansiedade
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

O fim de ano é sempre um misto de nostalgia, preocupação com as contas, mas principalmente de cansaço físico e mental. É nesta época do ano que muitas pessoas são diagnosticadas com algumas enfermidades, entre elas, esgotamento e estresse.

Para especialistas, apesar da carga que o período traz, é preciso buscar opções para relaxar e desestressar. A psicóloga Júlia Souza de Biazzi, de 25 anos, diz que é preciso focar nas pequenas conquistas. "É preciso uma mudança de foco. Não devemos nos atentar apenas ao que deu errado ou não conseguimos cumprir, mas também nas pequenas conquistas. Isto pode nos dar mais ânimo para encarar o próximo ano", comenta.

O analista de sistemas Guilherme Silva, de 23 anos, relata que 2021 foi um ano conturbado, com altos e baixos e que isso desenvolveu nele certa ansiedade. "Vivemos um ano com muitas perdas. Quando você se depara com as notícias na televisão, você acaba ficando maluco com tanta tragédia. Nesse momento surgem os pensamentos negativos, bate aquela tristeza por tudo que aconteceu", comenta Silva.

Por outro lado, Silva buscou alternativas para amenizar todo estresse e ansiedade que vinham crescendo. "Procurei fazer terapia e isto está me ajudando com meus conflitos internos, faço atividades físicas, me conectei mais com Deus e faço meditação,que me ajudou a esvaziar a cabeça e pensar mais no presente", explica Silva.

Já o varejista de móveis Rafael Oliveira Almeida, de 27 anos, a sensação é semelhante. Ele costuma viajar no final do ano para casa de parentes na Bahia, de onde é natural, mas neste ano, por questões financeiras e toda correria, não conseguiu se programar para a viagem. "Eu me sinto um tanto triste e para baixo por não estar lá eles, festejando como de costume", afirma Oliveira.

Apesar de não estar com família neste momento, Oliveira diz que procura frequentar o espaço da igreja, onde se reúne com entes queridos e tem um espaço para se desconectar do mundo e relaxar a mente. "Agora no Réveillon eu vou participar de uma confraternização com os irmãos da igreja. Faremos uma oração e em seguida vamos organizar comes e bebes", conta Oliveira.

A psicóloga Júlia também sugere que as festas sejam organizadas com antecedência. "Durante os encontros com familiares é comum as cobranças e comparações entre quem atingiu mais metas, por exemplo, mas este é o momento para relaxar e não cobrar", comenta.

(Heloisa Santos)


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: