Jundiaí

Busca por máscaras descartáveis sobe até 90% no início de ano

Segundo comerciantes, a preferência é por máscaras descartáveis comuns e não as do modelo N95


                                     ARQUIVO JJ
Elaine Cristina Rodrigues diz que a procura por máscaras tem subido
Crédito: ARQUIVO JJ

Com o surto de gripe causado pela cepa H3N2 da influenza e a nova onda de contaminações com a variante ômicron do coronavírus, a busca pelas máscaras descartáveis voltou a subir em Jundiaí chegando a 90% no início do ano mesmo com o reajuste de preços.

O atendente de uma farmácia no Anhangabaú, Alex Moraes, estima alta de 90% na procura neste início de ano, mas fala do aumento de preço. "Depois da reviravolta da gripe, além da procura subir de novo, o preço também chegou aumentar em 80%. Fora os medicamentos de gripe, xaropes, que já estão em falta, a gente quer comprar e não consegue."

Moraes conta que a grande maioria prefere as máscaras descartáveis comuns e não as do modelo N95 e que os demais equipamentos de proteção individual não tiveram alta na procura. "A gente vende luva descartável, mas acho que está mais tranquilo. As pessoas também já não se preocupam tanto com álcool em gel. Acho que vendem na mesma proporção de antes. As pessoas se preocupam mais com a máscara mesmo, acho que por ser obrigatória ainda."

Atendente de uma outra farmácia no Anhangabaú, Giovanne Guedes, fala que a procura subiu, mas o valor continua o mesmo por enquanto. A caixa de 50 unidades continua saindo por R$ 23,90. "A procura aumentou uns 60% e tem bastante gente usando duas máscaras descartáveis, inclusive a N95, assim como o álcool em gel."

CIRÚRGICA

Proprietária de uma loja de itens cirúrgicos e hospitalares, Elaine Cristina Maranha Rodrigues fala que a venda não é igual ao ano passado, quando havia falta de produto, mas aumentou. "Acho que a procura subiu uns 50%. Muitas pessoas não usam mais a máscara de tecido porque não são muito eficazes. A venda das máscaras mais eficazes, como a tripla e a N95, aumentou mais", conta ela, lembrando que a procura pelo face shield também subiu agora.

Elaine diz que os preços já estão sendo reajustados. "Para mim, o aumento foi de uns 20%, por enquanto. Comprei esses dias, mas não compro estoque porque penso que o preço vai abaixar. Se eu vejo que não abaixa, compro a mais."

(Nathália Sousa)

 


Notícias relevantes: