Jundiaí

Mais transmissível, ômicron assusta e reforça isolamento

Devido o aumento dos casos confirmados, a população se mantém mais protegida e insegura


ARQUIVO PESSOAL
Vitoria Carolina Silva Mendes redobrou os cuidados e evita as saídas
Crédito: ARQUIVO PESSOAL

Dados da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo já apontam que a ômicron é responsável por 80% dos casos de covid-19. Dados que têm assustado as pessoas que temem pela própria saúde, mesmo com o isolamento.

É o caso da aposentada Josefa Zeferina Bezerra, de Louveira. "Só saio de casa para ir ao mercado, uma vez por mês, e ao pronto-socorro, se precisar. Já tomei as três doses da vacina, mas tenho muitos problemas de saúde. Vejo que a vacina ajuda muito, o que atrapalha são as pessoas que acham que são imunes."

Josefa tem esperança que as coisas voltem ao normal o quanto antes. "Sinto falta de sair, ter lazer, ver a minha neta que vai fazer sete anos, ir ao cinema com a minha filha. As pessoas têm que ter ter consciência, entender que Deus está tentando nos falar alguma coisa", diz ela emocionada.

Já Vitoria Carolina Silva Mendes redobrou os cuidados e evita as saídas de casa nos últimos meses por estar grávida. "Não que antes da gravidez eu não tivesse os cuidados, tinha também, mas agora redobrei. Só estou saindo para ir a consultas ou fazer exames", diz ela, que tomou as três doses da vacina, mas ainda teme a contaminação.

Ela lamenta a falta de respeito das pessoas. "Sinto falta de sair mais, estar mais perto da família, mas por ter pessoas do grupo de risco na família, e por eu estar grávida também, a gente acaba não saindo."

(Nathália Sousa)

 


Notícias relevantes: