Jundiaí

Safras de maio rendem, mas ainda sofrem efeitos da seca e geada

CLIMA As reviravoltas climáticas do ano passado alteraram a lavoura e ainda têm impacto nas produções deste ano, que prometem mais mudanças drásticas


ARQUIVO JJ
Sandra Vendramin conta que a plantação de bananas nanicas rendeu mais do que no ano passado, mas já houve safras melhores da fruta
Crédito: ARQUIVO JJ

Mesmo com as muitas opções de frutas produzidas em Jundiaí, com safras praticamente o ano todo, as variações climáticas do último ano ainda são sentidas na produção. Algumas, inclusive, com alteração no preço, como a banana que sofreu reajuste de 40% o quilo.

A produtora do Caxambu, Sandra Vendramin, está em plena safra da banana nanica, mas explica que a fruta está mais tardia por causa da geada de 2021. "A colheita está começando agora por causa da geada do ano passado que atrasou a produção. Já tive anos melhores de safra. Os pés não estão muito carregados, mas neste ano ainda está melhor que no ano passado. Como começou a amadurecer agora, não sei se estão doces. Deixo amadurecer naturalmente, então demora mais."

Ela reajustou o preço e a procura ainda não é muito alta. "Não tem muita procura por banana ainda, vendo na minha propriedade e ainda não tem gente vindo comprar. Como a safra foi afetada pela geada, aumentei um pouco o valor. Ano passado era R$ 2, R$ 2,50 o quilo. Neste ano está R$ 3,50."

Produtor de caqui no bairro São José da Pedra Santa, região do Corrupira, Célio José Biasi está colhendo a fruta que deu mais neste ano por conta da seca de 2021. "Está em colheita e a safra é maior que no ano passado devido à seca de 2021. A planta, quando está ameaçada ou morrendo, reproduz mais para não acabar a espécie, então coloca mais flor."

Biasi conta que a qualidade também está excelente. "Fruta maravilhosa, tamanho médio, doce, está bem legal. O preço está o mesmo do ano passado e a procura está normal. Quando começa a época do frio o consumo de fruta cai um pouco, mas é normal."

TERRA DA UVA

Produtor de uva niágara no Traviú, Elessandro dos Santos Souza colhe agora a poda do meio da fruta, feita depois da safra do Verão. "Essa é a poda do meio da uva. Já estou colhendo, mas neste ano deu bem fraca porque já é uma uva velha, mas a qualidade está boa, bem doce."

Essa colheita rende cerca de um terço da safra normal. "A poda do ano passado deu 1,2 mil caixas na safra de janeiro. Essa poda vai dar umas 400 caixas. Tem gente que nem poda, alguns fazem e outros preferem nem fazer a poda do meio."

O produtor também tem pé de abacate, no quintal, fruta da época que está dando, mas ele não comercializa.

CLIMA

O Inverno geralmente é seco na Região de Jundiaí e neste ano, assim como em 2021, a estação promete pouca chuva. A geada, que arrasou plantações no ano passado, porém, não é prevista para este ano. Enquanto o Inverno não começa, os próximos dias devem ter chuva em Jundiaí, mas com estiagem em seguida, segundo o Climatempo, empresa de meteorologia.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: