Jundiaí

Neste ano, cerca de 280 árvores foram removidas

SOLICITAÇÕES Algumas árvores precisam ser removidas por representar risco ou danificar vias, mas esse processo só pode ser feito pela prefeitura


 DANIEL TEGON POLLI
Algumas raízes de árvores acabam danificando a calçada de modo que atrapalhe a mobilidade e traga riscos
Crédito: DANIEL TEGON POLLI

Em média 120 processos para retirada ou substituição de árvores são abertos por mês em Jundiaí. Neste ano, até o momento, foram removidas cerca de 280 árvores no município em diferentes bairros. Este tipo de processo é feito junto à prefeitura e a solicitação deve ter justificativa. Os eventuais danos supostamente causados pela árvore, por exemplo, como à acessibilidade ou conflito com uma obra, como informa a Departamento de Parques, Jardins e Praças da Unidade de Gestão de Infraestrutura e Serviços Públicos (Ugisp), são alguns deles.

Em um prazo de 40 dias, um técnico faz a inspeção no local e o caso será avaliado. Se o parecer for favorável, um engenheiro agrônomo aprovará o pedido, executado de acordo com a programação de serviços do departamento e a gravidade do caso, e pode ocorrer dentro de uma semana.

Em alguns casos, no lugar da retirada, é aprovada uma poda especial, poda de raiz, acerto da calçada ou vistoria programada para seis ou 12 meses para acompanhar a evolução da árvore. Após conclusão do laudo, o munícipe é informado se o procedimento foi aprovado ou não.

LOCOMOÇÃO

Autônomo, Daniel Navarro Matias percebe problema maior com relação a árvores no Centro e defende o trabalho preventivo. "Moro no Medeiros e não frequento muito o Centro. Lá não tem este tipo de problema porque é um bairro mais rural. As árvores deixam a paisagem mais bonita e acredito que a maioria das pessoas goste desse ambiente arborizado, mas é uma bomba-relógio, é melhor se antecipar antes que um problema mais grave aconteça."

Dona de casa, Geane Silva não acha que as árvores devam ser retiradas, mas a manutenção de calçadas é necessária. "Aqui está ruim. Meu filho tropeça o tempo todo. Se eu não o segurar firme, ele vai de cara no chão. Acho que deveriam analisar a situação porque é muito antigo, o solo vai cedendo. Não acho que precisa tirar as árvores, só ajudar elas onde estiverem e conservar a calçada", conta ela sobre o filho que está aprendendo a andar.

Também dona de casa, Jerusa Rocha de Souza defende que haja poda com maior frequência e retirada. "Eu gostaria que tirassem árvores mais velhas. E tem lugar que ter árvore é perigoso, na avenida Antonio Pincinato, próximo ao condomínio dos Metalúrgicos, tem árvores na calçada e é bem escuro de noite, não dá para ver se alguém se esconder. Precisa tirar as velhas e podar as outras."

Marido de Jerusa, o aposentado Edson Viana de Souza reclama da conservação de calçadas de modo geral. "Fui ao Poupatempo outro dia e quase quebrei o pé porque tropecei na calçada. Na Antonio Pincinato tem uma caixa do esgoto quebrada, pode romper com alguém passando."

DEMANDAS

Qualquer remoção ou substituição de de árvore deve ser demandada à prefeitura. As orientações estão contidas no link: https://jundiai.sp.gov.br/infraestrutura-e-servicos-publicos/arborizacao-urbana/remocao-de-arvores/.

A CPFL Piratininga informa que realiza podas preventivas e emergenciais para livrar e evitar riscos de danos à rede elétrica. Para isso, critérios técnicos são seguidos.


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: