Jundiaí

Com inflação, 'pingado' se torna artigo de luxo

ALTAS Café, pão, leite e derivados se tornaram vilões e o consumo do café da manhã fora de casa vem sendo cada vez mais difícil


 DANIEL TEGON POLLI
Gerson Barcaro vende o café com leite e o pão na chapa sem reajustes de preço há quatros anos
Crédito: DANIEL TEGON POLLI

Com preço médio de R$ 10, os tradicionais café com leite e o pão na chapa acabaram virando itens de luxo para jundiaienses. Quem ganha um salário mínimo não vai comprometer cerca de um quinto dos vencimentos com o consumo diário do café da manhã fora de casa. Em 2021 e no primeiro semestre deste ano, os produtos panificados subiram mais de 20%, leite e derivados, mais de 30% e o café acumula alta de mais de 100%. Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Proprietário de uma padaria no Vianelo, Gerson Barcaro, lamenta a queda brusca no consumo do cafezinho no local. "O café com leite custa R$ 5 e o pão na chapa é R$ 3. Faz quatro anos que mantemos o mesmo preço porque nossos clientes são as pessoas que estão indo trabalhar, indo para o terminal, ninguém tem dinheiro. E mesmo mantendo o preço, nosso movimento caiu 80% desde o início da pandemia."

Além do trabalhador ter perdido poder de compra, os comércios ao redor também buscam economia. "Os lojistas aqui perto vinham antes tomar café, mas agora eles fazem o café e os clientes que também vinham, tomam lá mesmo. O que me ajuda hoje é vender prato feito popular, com frango, panqueca, bisteca. Uso ingredientes que consigo encaixar no orçamento e eliminei meu consumo de óleo."

Barcaro também pesquisa preços e ainda assim não acompanha as altas. "O café com leite é uma xícara e ganhamos com os agregados, um pãozinho, bolo. Tem que correr atrás do café também. Marcas antigas voltaram ao mercado com preços mais acessíveis. Também cortei meu café expresso porque a marca dá a máquina e você compra os insumos, mas preciso vender 150 expressos por dia para manter o custo."

Proprietário de uma padaria no Anhangabaú, José Carbone Ayres diz que o café com leite e o pão na chapa custam R$ 9,50 após um reajuste feito na última semana, devido ao preço do leite e derivados. "Fiz dois reajustes desde o início da pandemia de 30% a 40%. Em dois anos e meio de pandemia, os produtos aumentaram. A farinha de trigo subiu 100%, o leite subiu cerca de 40% e o café aumentou mais de 100%. O movimento, no primeiro ano de pandemia, caiu 80%. No segundo ano, a queda ficou em 50% e hoje vendo 25% menos que antes da pandemia."

Para Ayres, o consumo na padaria ficou caro. "Precisa de um diferencial. Trabalhamos com produtos de fabricação própria, que a pessoa não encontra no mercado, em uma conveniência. Trabalhamos com tradição mineira e tem que criar alternativas, como surfar na onda das hamburguerias e fazer pão de lanche."

CONTRAMÃO

Gerente de uma padaria no Jardim Bonfiglioli, Marissol Portela, diz que o movimento do local aumentou agora, cerca de 40%, mesmo com reajuste. "As pessoas vêm tomar café e fim de semana é quando mais vendemos. Fizemos reajuste de preço, mas não tanto porque sabemos que está difícil para todo mundo. Cobramos um preço justo para manter a qualidade dos produtos. Acabamos não repassando todo o aumento, mas preferimos que venham mais clientes e com a quantidade dá para ganhar a margem."

O reajuste de preço foi de 15,3% no par clássico, do café com pão. "Hoje nosso pão está R$ 18,90 o quilo, mas tem lugar que está R$ 24,90. O pão com manteiga na chapa está R$ 4,90 e o café coado com leite está R$ 6,40. Antes o pão erá R$ 3,90 e o café R$ 5,90."

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: