Jundiaí

Sem chuva, represas da região estão com nível cada vez menor

RACIONAMENTO DESCARTADO Mesmo com a estiagem, os municípios descartam desabastecimento de água nos próximos dias


DIVULGAÇÃO
Mesmo com a perda de 1 bilhão de litros de água na represa, Jundiaí descarta racionamento no momento
Crédito: DIVULGAÇÃO

Com falta de chuvas volumosas, a represa de Jundiaí e reservatórios da região apresentaram redução drástica na quantidade de litros de água. Em Jundiaí, em 40 dias, a represa caiu de 86% de armazenamento da capacidade, na ocasião com oito bilhões de litros, para 75%, que hoje representa sete bilhões de litros de água. Os dados são da DAE Jundiaí.

Além do rio Jundiaí-Mirim, principal manancial de abastecimento, a DAE mantém a reversão do rio Atibaia, com o objetivo de garantir o nível da represa em condições operacionais. Até o momento, mesmo com a estiagem, a empresa descarta racionamento e desabastecimento de água no município.

LOUVEIRA

Além de Jundiaí, a represa do Córrego Fetá, administrada pela Secretaria de Água e Esgoto (SAE) de Louveira, também registrou queda brusca na quantidade de litros de água armazenada e está bem abaixo do volume ideal. No final de junho, 405 milhões de litros de água estavam armazenados no Fetá, o que representa 87% da capacidade total. Nesta semana, o índice baixou para 40%, sendo 186 milhões de litros.

Mesmo com a queda no volume de água por conta do tempo seco e falta de chuva, o município descarta a necessidade de racionamento neste momento.

Nos municípios de Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista, Itupeva, Cabreúva e Jarinu, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) tem acompanhado a situação dos mananciais em parceria com as prefeituras e ressalta que o abastecimento ocorre de forma regular nos municípios citados, mas orienta o uso consciente da água pela população.

CONSCIENTIZAÇÃO

Entre as ações de conscientização da população para evitar o desperdício de água, a Prefeitura de Louveira passou a multar, desde o ano passado, moradores que forem flagrados desperdiçando água. A medida tem como objetivo combater o uso indevido de água no momento em que a região atravessa período de severa estiagem.

O decreto proíbe o uso de água tratada para lavar ruas, calçadas e fachadas de áreas residenciais, comerciais ou industriais, além de veículos. A prática de molhar plantas e jardins também está na mira. Serão ainda punidas as pessoas que mantém vazamentos de água em suas propriedades, além de moradores que forem flagrados ou denunciados por outros tipos de uso que caracterizem o desperdício.

O infrator denunciado que tiver a comprovação do uso indevido, ou for flagrado pela Guarda Municipal, receberá uma advertência inicial. Em um segundo registro, receberá uma multa no valor de R$ 500 que será cobrada junto com a próxima conta de água. Em caso de reincidência, a multa será de R$ 1.800.

Qualquer pessoa pode denunciar casos de desperdício. Os moradores devem entrar em contato com a Guarda Municipal através dos telefones (19) 3878-1512 ou 153.

Em Jundiaí, a DAE promove campanhas permanentes para que a população faça o uso consciente da água. Neste momento, a campanha em andamento se chama 'Água. Quem economiza sempre tem', que será reforçada por meio da divulgação de um folder entregue junto com a conta de água nas próximas semanas.

A empresa ressalta a importância da conscientização da população para que reduza seu consumo, adotando medidas simples, como tomar banhos de até cinco minutos, escovar os dentes com a torneira fechada, checar vazamentos, retirar os restos de comida antes de lavar a louça, varrer a calçada ao invés de usar a mangueira, usar um regador para molhar as plantas e evitar lavar o carro.

À ESPERA DA CHUVA

Para os próximos dias, a sensação de calor e secura predomina. Hoje (5) e no final de semana (6 e 7), os dias continuam quentes e sem previsão de chuva.

Já na segunda-feira (8), a temperatura deve cair e há possibilidade de chuva a qualquer hora. Os dados são do Climatempo.

 


Galeria de Fotos


Notícias relevantes: