Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

SUS Jundiaí trata 31 casos de câncer de mama

Simone de Oliveira | 01/10/2019 | 06:00

O câncer de mama é considerado a neoplasia maligna mais incidente em mulheres na maior parte do mundo. No Brasil, as estimativas para o ano de 2019 são de 59.700 casos novos, o que representa 29,5% dos cânceres em mulheres, excetuando-se o câncer de pele não melanoma.

Em Jundiaí não há um número fechado de quantas mulheres estão com a doença, mas, de acordo com o departamento de radioterapia do Hospital São Vicente, referência do Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento da doença, 31 mulheres seguem atualmente em tratamento, porém, entre janeiro e setembro deste ano, outras 109 foram tratadas na unidade.

No mês em que se comemora o Outubro Rosa, para lembrar a importância do diagnóstico precoce, muitas histórias sobre a descoberta e a cura ainda deixam as mulheres preocupadas, mas prontas para se tratarem.

Foi o que aconteceu com a jornalista Dorô Cunha, de 51 anos, que foi diagnosticada com carcinoma. A demora entre a descoberta e o tratamento foi grande a ponto de precisar fazer primeiro a radioterapia para depois seguir para a cirurgia da retirada dos nódulos. “Eu bati o seio e fui procurar pelo atendimento médico. Eu estava sem convênio médico e por isso tive que esperar 60 dias para chegar a um mastologista. A partir disto, tivemos que correr com o tratamento porque o nódulo estava grande.”

Ao todo foram 28 sessões de quimioterapia, retirada da mama esquerda, queda de cabelo, e incômodos físicos e emocionais. Período que agora Doro conta com certa tranquilidade. A radioterapia foi feita por último. “O medo bloqueia qualquer tratamento. Por isso as mulheres não podem ter medo de procurar por tratamento. Hoje eu estou curada, mas continua ajudando quem precisa, mas é importante lembrar que também temos que ter acesso mais rápido ao tratamento”, espera Dorô.

E mesmo quem está acostumada a ver a doença do outro, nem sempre imagina que pode enfrentar problemas semelhantes. Foi o que ocorreu com a aposentada Maria Angela Arvigo, de 62 anos. Há três anos descobriu a doença e confessa um certo descuido de sua parte. “O bico da minha mama começou a abrir e, até então, não sentia nada, mas, ao procurar um médico, tivemos que fazer todos os exames possíveis e descobri o câncer. Foram quatro cirurgias e tive que tirar o seio. Agora, não sei se quero fazer a reconstituição desta mama”, conta Ângela que trabalhou por muitos anos na área de saúde.

Ela diz que em um prazo de dois anos perdeu integrantes da família e, mesmo assim, se descuidou da sua própria. “O autoexame é importante para a descoberta da doença, porque não é nada fácil.”

De acordo com a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), a rede primária é responsável pela prevenção, atuando em ações de conscientização sobre a importância dos hábitos de vida saudáveis e estímulo a realização das mamografias, sempre levando em conta a particularidade do risco aumentado para os antecedentes familiares.

Já no ambulatório da saúde da mulher, após detecção de alteração, faz o ‘estadiamento’ e o plano terapêutico, com mastologista em conjunto com a equipe de oncologia do Hospital São Vicente. É importante observar que durante todo o tratamento, a paciente passa por equipe multiprofissional.

Outubro Rosa

A Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) informa que durante o mês de outubro serão feitos eventos para lembrar o tema. No dia 6, no Parque da Cidade, uma equipe multiprofissional estará no local dando orientações sobre a importância da prevenção.

As Unidades Básicas de Saúde (UBSs) também promoverão ações na forma de palestras, atividades físicas e/ou orientações, e atuarão priorizando o acesso à mamografia, quando necessário.

No dia 19 , às 10 horas, um grupo de mulheres do ‘Amigas lindas da quimio’ faz um ato em frente ao Hospital Regional como apelo ao governador João Dória para que autorize a utilização do espaço para cirurgias também pelo SUS.

 


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/68847/
Desenvolvido por CIJUN