Jundiaí

Adaptações para manter sanidade mesmo em home office


CLAUDELI
Crédito: Reprodução/Internet
No isolamento social, para evitar progressão do coronavírus (covid-19), tanto empregadores como colaboradores caíram em um universo paralelo do trabalho virtual, mas com o compromisso de manter produtividade e cumprir prazos. Mas em quais condições? No espaço da empresa tem hora de chegada, almoço, cafezinho e saída. O que se faz pós o horário laboral é vida particular que segue. Em vida de empresa, não há demanda de filho, pets, maridos e esposas. Um reflexo negativo para o bem-estar está no distanciamento dos profissionais que ajudam a vida ser mais leve, como terapeutas, fisioterapeutas, massagistas, barbeiros, cabeleireiros e manicures. Para passar tranquilo por esta fase, o exercício da análise dos limites é a chave, segundo a psicóloga Marisa Lie Oshiro Izumi, 43 anos. “Para qualquer situação de adaptação existe o desconforto. Por isso é importante analisar os limites e respeitá-los. Fazer um planejamento diário das tarefas, cumpri-las e não sobrecarregar o seu dia”, aconselha. Ela adverte para não direcionar os pensamentos somente para o que está dando errado. “Não é a saída, mas é o que muitas pessoas fazem. Conseguir pensar de outra maneira faz a diferença na hora de tomarmos uma atitude. É importante ressaltar a necessidade de aceitarmos os sentimentos, afinal estamos passando por uma situação difícil, porém cultivar a esperança, o senso de capacidade e valorização são essenciais”, finaliza. Adaptação A advogada Claudeli Ribeiro Martins Romero, 48 anos, está sentindo na pele esta mudança de ambiente e adaptou o que foi possível para ter qualidade de vida neste período. Casada com o engenheiro de produção Alessandro Romero, 42 anos, e mãe do Gustavo, Claudeli cumpre virtualmente os trâmites comuns da profissão. Antes de ir para home office, Claudeli tinha uma agenda de bem-estar movimentada. “Minha rotina incluía massagem/drenagem uma vez por semana, academia (segundas, quartas e quintas), caminhadas em dias alternativos, salão de beleza semanalmente e fonoaudióloga”, comentou. A realidade agora é outra. Neste último mês, a advogada suspendeu quase tudo. “Somente a podologia consegui fazer um dia, porque estava com dor. Como alternativa, para não ficar parada, estou fazendo atividade física em casa (caminhada, funcional, alongamento), cabelo eu mesma estou quebrando um galho em casa”, comenta rindo sobre a situação. Uma dificuldade para ela foi a ansiedade latente. “Já sou ansiosa normalmente e, especialmente no início, quase dei uma pirada. Estava vendo muitas matérias sobre a pandemia e a cabeça começa criar situações, além do presente. Hoje estou mais calma, vendo pouca televisão e não abro mais mensagem que falem sobre o coronavírus. Precisamos desligar às vezes”, avalia. Outro acréscimo de atribuições foi o filho entrar em férias escolares e incluir na lista ‘mãe home office’, uma atividade que habitualmente não faz, além de cozinhar diariamente. “Meu marido continua no trabalho normalmente e estamos tentando manter a rotina e nosso planejamento”, finaliza a advogada. 8 dicas para atravessar a crise Para auxiliar empreendedores autônomos, os mais afetados com o isolamento social, a CNN Brasil Business elaborou com o professor de finanças do Insper, Ricardo Brasil, oito tópicos para organizar a saúde financeira e conseguir passar por este período sem grandes turbulências. 1- Estime gastos fixos Esta é a regra básica para quem quer iniciar um planejamento financeiro 2- Corte supérfluos O foco deve ser a redução de gastos que não gerem multas ou outros tipos de penalidades. 3- Reserva de emergência Entender o quanto é possível deixar guardado para reserva financeira. 4- Apele ao governo Governo federal anunciou o “coronavoucher”, um auxílio mensal de R$ 200 a profissionais autônomos durante a crise 5- Seja conservador Se decidir aplicar parte do dinheiro prefira opções de baixo risco e alta liquidez (títulos públicos, poupança e CDBs de bancos). 6- Adie planos que darão gastos extras Reformas e troca de móveis e equipamentos para a sua casa, por exemplo, podem esperar. 7- Foque na renda extra Adaptar sua atividade dentro de casa pode ser um subterfúgio para minimizar prejuízos 8- Não demore Procrastinar a redução de custos pode ser pior no médio prazo.

Notícias relevantes: