Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Após crise, número de adultos e idosos em sala de aula cresce quase 40% em Jundiaí

Plínio Teodoro | 14/08/2018 | 05:30

A crise econômica – que já deixa 13 milhões de desempregados no País, segundo o IBGE – e a busca por melhor qualificação para voltar ao mercado de trabalho ou melhorar a qualidade de vida estão levando muitos adultos e até idosos a voltarem para a sala de aula. No Centro Municipal de Educação de Jovens e Adultos (Cemeja) de Jundiaí, entre 2016 e 2018, o número de matrículas aumentou 38,4%, isso levando em consideração apenas os matriculados de janeiro até a última sexta-feira (10).

“As matrículas ficam abertas o ano todo. Fechamos esses dados na sexta, às 14h, e depois disso entraram mais 15 inscrições”, destaca Carolina Copelli Tamassia Ricci, diretora do Cemeja. No total, 3.020 pessoas já se matricularam neste ano para turmas do Ensino Fundamental (acima de 15 anos) e Ensino Médio (com mais de 18 anos) – em 2016 foram 2.182 inscritos e em 2017, 2.550.

Foto: Arquivo/Jornal de Jundiaí

Foto: Arquivo/Jornal de Jundiaí

Muitos estudantes do Cemeja são classificados como analfabetos funcionais, pessoas que têm muita dificuldade para ler e escrever e fazer operações matemáticas em situações da vida cotidiana, como reconhecer informações em um cartaz ou folheto ou ainda fazer operações aritméticas simples com valores superiores às centenas. A situação da cidade reflete a realidade nacional. Segundo estudo divulgado na última semana pelo Instituto Paulo Montenegro, em parceria com a ONG Ação Educativa, três em cada 10 brasileiros são analfabetos funcionais – número que caiu 10 pontos porcentuais desde o início da série, em 2002, chegando a 27% em 2009, mas que subiu a 29% neste ano.

Adultos e idosos
De acordo com a diretora do Cemeja, nas aulas do período da manhã, o fluxo maior é de idosos. Já os períodos da tarde e da noite são mais procurados por jovens. “As histórias são muitas, mas percebemos que muitos chegam em busca de melhorar a educação visando o mercado de trabalho”, diz ela, destacando que o centro conta com mais de 20 salas de aula e oferece, além das disciplinas curriculares, aulas de informática para alunos do Ensino Fundamental.

São casos como o de Simone Aparecida Serafim. Aos 49 anos, ela cursa o equivalente à 8ª série no período matutino do Cemeja. Artesã há 15 anos, ela voltou às carteiras escolares em busca de entrar em um curso superior de Design de Interiores. Para aumentar a renda de casa e arcar com os custos dos estudos dos dois filhos – que cursam Medicina e Engenharia -, o marido, João Malaquias, aposentado, voltou a trabalhar como frentista e ajuda a mulher nos trabalhos de artesanato.

“Voltei a estudar há dois anos. Quando eu era criança, morava na zona rural e tive que parar os estudos, pois não havia escolas nas proximidades. Agora tenho tempo e o incentivo dos meus filhos”, conta ela, ao salientar que as aulas servem para lutar não apenas contra o desemprego. “Aqui também vencemos as crises da depressão, da solidão. É muito bom fazer parte e os professores são muito atenciosos.”

A cozinheira Silene Pavesi, de 49 anos, cursa o equivalente à 7ª série e também voltou aos estudos para se aprimorar profissionalmente. “Quero fazer faculdade de Gastronomia. O mercado exige cada dia mais e acredito que, assim, vou poder aumentar meus rendimentos.” Zilda Alves da Silva, 51 anos, se alfabetizou no Cemeja e hoje cursa o equivalente à 2ª série. “Sempre trabalhei desde os 7 anos de idade. E por isto não estudei. Agora quero me aprimorar para poder continuar cuidando de crianças de uma forma ainda melhor”, diz ela, que está desempregada.

Com os 2 filhos já “criados”, Ivone de Oliveira, 61 anos, cursa a 3ª série do Ensino Fundamental para tornar realidade um sonho antigo. “Meu sonho sempre foi trabalhar como caixa e hoje tenho a oportunidade de aprender. Tenho certeza que logo mais eu serei o que sempre quis.”


Leia mais sobre | |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/apos-crise-numero-de-adultos-e-idosos-em-sala-de-aula-cresce-quase-40-em-jundiai/
Desenvolvido por CIJUN