Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Auxílio negado preocupa munícipes de baixa renda

Kátia Appolinário | 02/07/2020 | 06:00

O prazo para quem ainda não solicitou o Auxílio Emergencial junto a Caixa Econômica Federal se esgota hoje (2). Lançado em abril, o benefício de R$600 já contemplou 64 milhões de pessoas, o que corresponde a R$ 108,1 bilhões creditados em nível nacional. A equipe da Caixa alega que não há um levantamento de dados específicos referentes a Jundiaí e Região, mas há quem ainda esteja no aguardo pela liberação da renda.

É o caso da auxiliar administrativa Jaqueline do Amaral Santos, de 36 anos, que teve que contestar o pedido negado três vezes. “Na minha primeira tentativa, o aplicativo apontava uma divergência de informações no meu cadastro. A alegação era de que meu marido também estava tentando o auxílio. Na segunda tentativa constava que eu estava recebendo seguro desemprego, o que não é verdade”, conta ela, desempregada desde o final de março.

A moradora do bairro Morada das Vinhas, diz que não recebeu o seguro por ter permanecido apenas alguns meses no último local de trabalho. Ela conta que ao perder o segundo prazo de contestação, seguiu tentando. “Relutante, entrei com o pedido pela terceira vez, mas ainda assim não consegui pois consta que eu tenho um emprego formal, mesmo sem ter nenhuma fonte de renda”, afirma.

Para ela, as contas do mês tiveram que se adequar a sua atual condição financeira. “Meu marido está pegando alguns trabalhos corriqueiros e teve o auxílio dele aprovado, então vamos levando como podemos. Se analisarmos o valor que as coisas custam, R$600 é quase nada, mas a ausência desse dinheiro, com certeza faz falta”, diz.

Quem está na mesma situação é o motorista de aplicativo Samuel Monteiro de Morais, de 36 anos, que fez a solicitação há dois meses e recentemente teve o auxílio negado. “O aplicativo aponta que eu tenho registro em carteira e que também recebo seguro desemprego. O erro começa aí. Como eu poderia ser empregado e receber o seguro? Os dados não batem”, reitera, valendo-se de que esta é apenas uma das divergências apresentadas pelo aplicativo da Caixa.

Ele já contestou, mas teve o auxílio negado por outros motivos. “Consta que em casa estamos recebendo por um registro de óbito, o que não é verdade, e também que meu CPF não apresenta gênero”, compartilha.

Para ele, além das deficiências na análise dos cadastros, a dificuldade de comunicação é um dos principais entraves. “Na tentativa de resolver esses problemas, fui até a uma agência da Caixa pessoalmente. No entanto, recebi um péssimo atendimento. Me trataram como se eu estivesse pedindo uma esmola e me orientaram a sanar minhas dúvidas através do aplicativo, que é justamente o que eu não estava conseguindo fazer”, reclama.

 

EM ANÁLISE
Jaqueline e Samuel fazem parte dos mais de 107 milhões de cadastros analisados pela Caixa, incluindo aqueles que recebem Bolsa Família, os que realizaram o cadastro único, bem como os que abriram a solicitação via aplicativo.

A jovem Talita Carolina da Costa Santos, de 26 anos, foi uma das contempladas pelo auxílio emergencial. “Como eu já tenho baixa renda e faço parte do programa Bolsa Família, não precisei dar entrada pelo aplicativo e recebi as três parcelas sem nenhum entrave”, compartilha dizendo que tem realizado pequenos atendimentos como manicure para gerar alguma fonte de renda.

Na última terça-feira (30), o ministro da economia, Paulo Guedes, anunciou a prorrogação do auxílio por mais dois meses, ou seja, os contemplados receberão mais dois pagamentos de R$600 cada. No entanto, o pagamento será dividido em quatro parcelas de respectivamente R$ 500, R$ 100, R$ 300 e R$ 300.

Todas as pessoas que forem aprovadas pela Dataprev e pelo Ministério da Cidadania receberão todas as parcelas, sem exceção. Mesmo que uma pessoa tenha realizado o cadastramento nesta quinta, último dia para a entrada do pedido, ela vai receber as três parcelas se o cadastro for aprovado.

Para o pagamento, a Caixa criou contas digitais em que o dinheiro está sendo disponibilizado. Mesmo após o final do pagamento do auxílio a conta não será fechada para que os contemplados tenham tempo para a movimentação do dinheiro.

 


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/auxilio-negado-preocupa-municipes-de-baixa-renda/
Desenvolvido por CIJUN