Jundiaí

Busca por delivery cresce 10% durante isolamento


AUMENTO MOTOBOY NAS RUAS ARLES ROBERTO VIEIRA
Crédito: Reprodução/Internet
A cada dia menos pessoas têm saído às ruas devido ao pedido de isolamento para conter disseminação do coronavírus que tem avançado nas principais cidades do interior e, em Jundiaí, não tem sido diferente. O anúncio tem feito com que as compras essenciais sejam realizadas sem sair de casa e, nesse contexto, a procura pelos serviços delivery cresceu. O gerente de um estabelecimento especializado em delivery, Marcelo de Queiroz Barros, de 45 anos, conta com equipe fixa de motoboys e afirma que não está conseguindo absorver o aumento da demanda. "Neste momento estamos dando preferência para entregas urgentes, como de restaurantes e farmácias", explica o empresário que teve nos últimos dias percebeu um aumento de 10% na procura. Arles Roberto Vieira, de 41 anos, também é gerente de um delivery e, para ele, o fluxo foi contrário. "Para nós essa demanda caiu, uma vez que muitos dos nossos clientes fixos pararam de trabalhar. Contudo, alguns seguem ativos, e enquanto eles estiverem trabalhando, nós também trabalharemos", relata. Para o gerente farmacêutico, David Anderson Marcelino, de 37 anos, o movimento presencial caiu drasticamente e por isso o sistema de entrega é essencial. "A escolha pelo serviço delivery tem se tornado evidente. Cada vez mais as pessoas têm pedido para que os medicamentos sejam entregues em suas casas", conta, valendo-se de que o estabelecimento possui um motoboy fixo para os serviços de entrega. Prevenção Como precisam entrar e sair de vários estabelecimentos, inclusive de residências, os profissionais têm tomado todas as precauções para não serem contaminados. Segundo João Fernandes, também conhecido como "motoboy Xororó", os trabalhos devem continuar, mesmo durante o período de isolamento e por isso tem feito o possível para evitar qualquer tipo de contato. "Nas entregas residenciais eu tiro o produto da caixa e coloco em um local indicado pelo cliente. Em seguida, me distancio para que ele pegue. Também tenho buscado levar comigo álcool gel para higienizar a máquina de cartão", ressalta o motoboy que também está fazendo uso de equipamentos de proteção individual, como máscara e luvas. Joselito Barbosa de Lima, de 42 anos, decidiu parar de trabalhar momentaneamente. "Me coloquei em isolamento, mas na semana passada trabalhei direto e tomei todos os cuidados necessários", afirma o profissional que diz não deixar o álcool gel de lado. De acordo com o decreto anunciado pelo prefeito Luiz Fernando Machado, Jundiaí entra em Estado de Calamidade Pública. Com isso, entre outras determinações, restaurantes, pizzarias, lanchonetes e lojas de alimentos em geral, exclusivamente para vendas através de aplicativos ou telefone e entregas em domicílio ou retirada presencial pelo consumidor, devem funcionar no período das 8h às 22h. Grandes empresas Cientes do risco que esses trabalhadores correm, as empresas de delivery se posicionaram sobre a questão. O Ifood, por exemplo, criou um fundo solidário no valor de R$ 1 milhão para dar suporte àqueles que necessitem permanecer em quarentena. A orientação ao entregador que tenha suspeita ou confirmação ao coronavírus é que siga todas as recomendações de saúde transmitida pelos órgãos públicos e, assim que possível, comunique a empresa do pelos canais de atendimento. A Uber Eats, por sua vez, vai oferecer gratuidade na taxa de entrega para pedidos feitos a milhares de pequenos e médios restaurantes. Além disso, a empresa está realizando uma campanha para conscientizar usuários sobre a entrega "sem contato", oferecendo essa opção diretamente no app e fornecendo orientações aos restaurantes parceiros para garantir que todos os pedidos sejam adequadamente lacrados em embalagens invioláveis. [caption id="attachment_86012" align="aligncenter" width="800"] AUMENTO MOTOBOY NAS RUAS
ARLES ROBERTO VIEIRA[/caption]

Notícias relevantes: