Jundiaí

Castração é recomendada para o controle da população de pets

Em média 60 animais estão sendo castrados por mutirão durante a pandemia
Crédito: Reprodução/Internet
As tradicionais castrações gratuitas realizadas por meio do Departamento de Bem-Estar Animal de Jundiaí (Debea) tem acontecido mesmo em meio à pandemia, porém uma vez por semana e com agendamento prévio. Segundo o órgão são pelo menos 60 animais chamados em cada mutirão, porém há quem fala sobre a dificuldade em conseguir um horário. A costureira e ativista Gislaine Gonçalves Nogima, (Gisa), de 55 anos, por exemplo, possui 25 gatos e cinco cachorros acolhidos das ruas e alega que da última vez que tentou o procedimento pelo Debea, não teve atendimento. “Eles nos instruem a abrir a solicitação de castração pelo 156, mas antes mesmo da pandemia já fiz o pedido e não obtive resposta. Tive que ir lá presencialmente para conseguir e ainda fiquei mais de quatro horas esperando para ser atendida”, relata. A dona de casa Maria de Jesus Nunes, de 55 anos, também fala da dificuldade para agendar a castração, como também para levar os animais até o local do procedimento. “É muito complicado, principalmente no caso das pessoas mais carentes, que dependem do transporte público. Não há como levar o animal”, reflete. Ela afirma ainda que, assim como outras pessoas, nunca teve um retorno de suas demandas via 156. “Tenho solicitações abertas há anos que não foram atendidas. Como não podemos esperar, acabamos fazendo contato com outras pessoas engajadas na causa animal e dividimos o valor da castração que em algumas clínicas particulares podem ser encontradas por aproximadamente R$80.”

QUESTÃO DE SAÚDE

Após inúmeras tentativas, a biomédica Beatriz Karine Gonçalves Barboza, de 21 anos, conseguiu castrar suas duas gatas adotadas recentemente. "Liguei muitas vezes para o órgão, mas só consegui após abrir uma solicitação e ir presencialmente ao local para explicar a urgência da castração dos meus pets", conta agora, com ambas as gatas castradas e microchipadas. A moradora do Jardim Tulipas, Ana Paula Cunha Conceição, de 45 anos, é dona do Pescoço, que foi abandonado há 7 anos e ao adotá-lo, ela fez questão da castração. “É muito importante para evitar doenças e também para que ele não procrie em caso de fugas. Hoje ele é um cachorro muito feliz e dócil”, conta. Para a veterinária e diretora do Debea, Daniela Passos, o procedimento é indispensável para a saúde do animal. “Coletivamente, a castração, quando feita com critérios epidemiológicos, ajuda no controle da população de cães e gatos, reduzindo o número de animais em situação de abandono e maus-tratos. Individualmente, o procedimento ajuda na prevenção de doenças como o câncer de mama em fêmeas e o aumento da próstata em machos”, pontua.

SERVIÇO

Para castrar seu animal, o interessado deve, primeiro, realizar o Cadastro de Animais para Castração pelo site (www.jundiai.sp.gov.br) ou aplicativo da Prefeitura (o APP Jundiaí). Após o cadastro, a pessoa deve aguardar o contato do Debea para o agendamento, que pode ocorrer rapidamente ou não, dependendo do volume de procura. Os animais devem estar realmente sob a responsabilidade de quem o cadastrou, visto que o rastreamento após a microchipagem será ainda mais rigoroso. Lembrando que quem já fez o cadastro via 156 e ainda não foi contemplado com a cirurgia deverá realizar o recadastramento no novo sistema. [caption id="attachment_97173" align="aligncenter" width="800"] Em média 60 animais estão sendo castrados por mutirão durante a pandemia[/caption]

Notícias relevantes: