Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Ceia pode ser saborosa mesmo sem o ‘peru’

Simone de Oliveira | 09/12/2018 | 16:00

A época de Natal já remete à ceia e com ela os tradicionais peru, leitoa, tender… Mas para quem não deseja ter um animal ou uma ave como prato principal e está procurando alternativas que deixam a mesa saborosa, criativa e sem peso na consciência, uma opção é uma ceia vegana.

Conhecido como uma dieta sem o consumo de alimentos de origem animal, o veganismo vem crescendo cada vez mais mundo afora com três apelos fortes: o combate à violência aos animais, o resgate de uma alimentação saudável perdida e a sustentabilidade, afinal o agronegócio tornou-se, para alguns ativistas, o campeão na questão de poluição do planeta.

E é com base nessas três razões que muitas pessoas tornam-se adeptas ao veganismo que, longe de ser apenas uma maneira de se alimentar, é uma forma de se relacionar com a vida do planeta.

“A missão de criar pratos sem nenhum tipo de derivado animal surgiu quando a minha filha decidiu optar pelo veganismo como forma de viver e isso criou um grande impacto na minha vida. Trabalho como chef e professora há mais de 20 anos e sempre fui adepta da boa e gorda cozinha. Mas a minha saúde também gritou e por isso unimos o útil ao agradável”, lembra a chef de cozinha e professora de gastronomia, Kika Moreira.

Ela preparou uma ceia exclusiva aos leitores do JJ Regional, que inclui pastinhas de entrada, como o homus tahine (pasta de grão de bico árabe); kashk bademjan (pasta persa de berinjelas com cebolas caramelizadas e castanhas); e muhammara (pasta árabe picante de pimentões vermelhos e nozes) com pão árabe.

Outra dica é quebrar algumas ceias tradicionais misturando frutas tropicais aos pratos orientais, como o falafel com chutney de manga e gengibre; salada picante de cenouras, abacaxi, castanha do Pará, coentro e passas com curry servida no abacaxi; cuscuz marroquino de legumes, suco de laranja, maçã verde e passas; e malabie com geléia de laranja (manjar árabe com calda de flor de laranjeira e geléia de laranja).

“Recém adepta ao veganismo, ainda em transição, eu me vejo desafiada a criar coisas deliciosas e lindas que encham os olhos e satisfaçam os paladares mais exigentes. Juntei ingredientes vindos do Marrocos, Turquia, Índia, Síria, Pérsia com a nossa culinária brasileira para fazer releituras saudáveis, deliciosas, fáceis, rápidas e com aquele toque gourmet. É a minha sugestão de cardápio para um Natal vegan que não vai deixar absolutamente nada a desejar para ninguém”, conta com orgulho a chef de cozinha, que ministra cursos em domicílio.

Receita: Cuscuz marroquino 

INGREDIENTES

2 xícaras de cuscuz marroquino; 1 1/2 xícara de suco de laranja; – 1 cenoura pequena cortada em brunoise (cubos pequenos); – 1 abobrinha pequena cortada em brunoise (cubos pequenos); – 1 berinjela pequena cortada em brunoise (cubos pequenos); 1 maçã verde cortada em brunoise; 1 fatia de cebola roxa cortada em brunoise (cubos pequenos); – 1 colher de sopa de gergelim preto; sal e pimenta a gosto; – suco (caldo, sumo) de limão a gosto; 4 colheres de sopa de azeite de oliva; salsinha picada e hortelã picado; 1 dente de alho picado

MODO DE PREPARO

Lave o cuscuz e escorra. Em seguida refogue a cebola, depois o alho no azeite e venha acrescentando os legumes na ordem: cenoura, berinjela e abobrinha.
Deixe dar uma leve amaciada. Acrescente o suco de laranja, deixe ferver e acrescente em seguida todos os outros ingredientes, desligando o fogo. (por ser delicado se ficar muito no cozimento vira uma papa)
Prove de sal. Deixe descansar alguns minutos até que a semolina esteja no ponto e sirva a seguir. </CW><CW-61>As demais receitas estão disponíveis na página do Facebook (facebook.com/chefkikamoreira).

 

 

Kika e a filha Raphaella são adeptas ao veganismo e por isso criam pratos que sugerem cor, temperos e sabor (Foto: Divulgação)

Kika e a filha Raphaella são adeptas ao veganismo e por isso criam pratos que sugerem cor, temperos e sabor (Foto: Divulgação)

 

 


Leia mais sobre | |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/ceia-pode-ser-saborosa-mesmo-sem-o-peru/
Desenvolvido por CIJUN