Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Com 2,8 mil casos de dengue, agentes antecipam visitas

SIMONE DE OLIVEIRA | 14/09/2019 | 05:00

De acordo com o Ministério da Saúde, de 30 de dezembro de 2018 a 24 de agosto deste ano, foram registrados 1.439.471 casos de dengue em todo o país. A média é 6.074 casos por dia e representa um aumento de 599,5% na comparação com 2018. No ano passado, o período somou 205.791 notificações. Em Jundiaí são 2.860 de casos registrados neste período, sendo a maioria contraído dentro da cidade.

E justamente por conta destes números e do avanço em todo o país é que as campanhas de prevenção acontecem mais cedo, inclusive em Jundiaí, que tem focado nas visitas aos bairros com maior incidência para combater os criadouros.

A biomédica da Unidade de Vigilância da Zoonose (UVZ), Ana Lúcia de Castro, explica que os ovos dos mosquitos ficam depositados nos vasos mesmo quando estão secos, quer dizer, engana-se quem pensa que a preocupação é apenas com os dias chuvosos. “Estes números são muito preocupantes sim, principalmente porque ainda não chegamos ao ápice do verão. Por isso o apelo para que as pessoas comecem imediatamente a eliminar os focos”, comenta Ana Lúcia, ao enfatizar que os vasos de flores e plantas não devem ser mais usados, mesmo com areia.

Ela afirma que equipes de saúde já percorrem alguns bairros para fazer as visitas, como no caso da Vila Hortolândia e Novo Horizonte, que aparecem no topo da lista com mais focos (veja tabela dos 20 bairros com maior incidência). “Os focos do mosquito, em 80% dos casos, estão dentro das próprias casas, por isso é importante que as pessoas façam uma limpeza em suas casas antes mesmo das chuvas e dos dias mais quentes”. A Biomédica lembra ainda que em Jundiaí não há casos de zika vírus, chikungunya e febre amarela.

ATENDIMENTO
O fluxo para atendimento a pacientes que relatam sintomas de dengue é frequente no Pronto Atendimento do Hospital São Vicente (HSV). Assim que o paciente relata os sintomas relacionados à dengue, é realizada a notificação à Vigilância Epidemiológica e colhido o exame, que também é enviado à Vigilância.

Caso a suspeita seja confirmada, o tratamento e acompanhamento seguem na Unidade Básica de Saúde mais próxima do paciente. Nos últimos seis meses, não foram registrados casos de pacientes internados no Hospital São Vicente em decorrência da doença. “A dengue deixou de ser uma doença sazonal e, portanto, são necessários cuidados durante todo o ano”, alerta o médico clínico geral, Mauro Ivan Andrade.

No Hospital Universitário (HU), o atendimento também acontece normalmente. A pediatra e infectologista, Márcia Borges, comenta que os casos mais sérios são encaminhados para tratamento. “Este ano tivemos 135 notificações de casos suspeitos de dengue e todos os pacientes podem procurar o serviço de urgência. Se for caso grave, será internado para os exames necessários”, reforça.

A campanha do Ministério da Saúde, que costuma ser lançada no fim do ano, foi antecipada em 2019, para que haja uma mobilização maior ainda no período de seca. Há também a preocupação com a possibilidade de maior circulação do chamado sorotipo 2 da dengue.

A biomética Ana Lúcia de Castro explica que nos vasos, mesmo secos, podem ter muitos ovos depositados


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/com-28-mil-casos-de-dengue-agentes-antecipam-visitas/
Desenvolvido por CIJUN