Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Consumidores reclamam da alta dos produtos básicos

Thiago Batista | 15/04/2020 | 05:00

Com a pandemia do novo coronavírus o brasileiro tem ainda outro inimigo para enfrentar além do vírus nesta quarentena: o aumento dos preços de itens básicos de alimentação e higiene. Consumidores alegam que uma ida ao supermercado já representa um aumento de até 25% nos gastos em comparação com março.

A Associação Paulista de Supermercados (APAS) tem acompanhado de perto o aumento de preços de produtos e nos casos considerados elevados, o próprio Procon SP já notificou 16 empresas para averiguar se houve prática de preços abusivos, considerando aumentos de até 75,5% para produtos da cesta básica.

Em Jundiaí pelo menos 77 denúncias chegaram devido aos abusos de preços nos supermercados.

Abusos que a vigilante Nair Araújo, de 41 anos, reparou, em especial nos itens de limpeza e de alimentação sofreram reajustes nos últimos dias. “O que aconteceu é que não houve diminuição em nenhum valor.

Muito pelo contrário. Eu percebi que alguns itens, como a carne, aumentou muito.Por exemplo, eu gastava cerca de R$ 400 numa compra e neste mês devo gastar R$ 100 a mais”, reclama.

A doméstica Joventina Quiteria, de 74 anos, verificou aumento em seus gastos. Ela reclama de alguns itens essenciais da cesta básica. “Eu percebi o aumento no leite, carne e feijão. Antes eu gastava R$ 100 e agora são R$ 150”, afirma.

MENOS COMPRAS
A advogada Neide Gonçalves Ribeiro, de 49 anos, precisou alterar a compra de alguns produtos para caber dentro do orçamento mensal. “Neste momento estou procurando reduzir os custos por conta da quarentena. Eu tive que mudar a marca do arroz que eu usava porque senão teria que diminuir a quantidade no consumo.”

Para o vendedor José Valmiram, de 53 anos, a diminuição na quantidade consumida foi essencial. “Quase tudo subiu e precisei diminuir a quantidade de carne e leite que consumimos em nossa casa”, reclama.

NENHUMA MUDANÇA
A esteticista Irene Marçal, de 45 anos, fez compras na tarde de ontem (14) e diferente dos outros consumidores não sentiu valores mais caros nos preços. “Eu não senti nada de aumento nos produtos básicos. Fiz exatamente a mesma compra que realizei na semana passada e não senti o valor crescer. Se ocorreu foi coisa de centavos”, explica.

A auxiliar administrativa Luciana Calderan, de 47 anos, na compra da semana passada notou aumentou nos valores da caixa de leite, fruta e legumes. “O preço de uma caixinha de leite que estava R$ 2,80 saltou para R$ 4,40”, afirma.

NOTIFICAÇÕES
Das 77 denúncias recebidas pelo Procon Jundiaí, 35 estabelecimentos, entre supermercados, farmácias, casas cirúrgicas e distribuidores de gás de cozinha foram notificadas. A entidade informa que constatado aumento nos preços, os estabelecimentos foram notificados a apresentarem, no prazo de 10 dias, notas fiscais de compra e venda dos produtos.

“O Procon está visitando os estabelecimentos e notificando para que apresentem as notas fiscais de compra e venda dos produtos, de janeiro de 2020 até a presente data. Os estabelecimentos informam que estão pagando mais caro pelos produtos, razão pela qual estão sendo solicitadas as notas fiscais de compra”, conta Geslane Rosa, chefe do Procon Jundiaí.

Caso o consumidor verifique o aumento abusivo do preço de um produto pode realizar a denúncia através do portal 156, ou através do e-mail proconjundiai@jundiai.sp.gov.br.

A APAS informa que tem mantido entendimentos com a Secretaria da Agricultura, do Governo do Estado e com o ProconSP, para garantir a manutenção de preços adequados dos produtos para os consumidores.


Leia mais sobre | | |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/consumidores-reclamam-da-alta-dos-produtos-basicos/
Desenvolvido por CIJUN