Jundiaí

DAE já estuda plano de contingência para conter desperdícios

2014-10-15_23-40-53_1
Crédito: Reprodução/Internet

Mesmo com um reservatório na casa dos 8,3 bilhões de litros de água na Represa de Captação, a DAE Jundiaí, empresa que cuida do saneamento básico da cidade, já informa que se a Agência Nacional de Águas (ANA) determinar que as cidades que captam água do Sistema Cantareira - em especial as que fazem parte das bacias PCJ (dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí) - reduzam suas cotas diárias de captação, colocará em prática uma ação de contingência para que a cidade não tenha o abastecimento comprometido.

Entre as sanções que devem ser impostas está a aplicação de multas e o rompimento no abastecimento em alguns horários, exceto para os hospitais. Mesmo com a diminuição da captação, até que a chuva resolva cair, o abastecimento da cidade deve ser garantido por até 30 dias por conta do reservatório.

O diretor-presidente da DAE, Jamil Yatim, informa que não concorda com a decisão porque Jundiaí fez a lição de casa, ou seja, se preparou para possíveis emergências e a Capital não fez isso. Agora as cidades do Interior é que sofrerão as sanções. “Não deveríamos ser punidos por conta da falta de planejamento dos outros.”

Atualmente, a DAE recebe pelo menos 15 ligações por dia de pessoas denunciando os abusos. As denúncias quantos aos abusos podem ser feitas pelo telefone 0800-133-155, das 6h às 22h.

Mais informações na edição impressa do Jornal de Jundiaí desta quinta-feira (16) ou faça uma assinatura digital.


Notícias relevantes: