Jundiaí

Defesa que faz a pessoa prever o perigo


Única arte reconhecida mundialmente como defesa pessoal, e não como arte marcial, o krav maga vem ganhando cada vez mais adeptos em Jundiaí, preocupados em aprender a se defender da violência urbana. Desenvolvido em Israel, o krav maga tem como objetivo ensinar qualquer pessoa a se defender, independentemente de idade, sexo ou preparo físico. Trata-se de um sistema de combate corpo a corpo, que envolve técnicas de luta, torções, defesa contra armas, bastões, facas e golpes, além de mudar a mentalidade dos praticantes, como conta a instrutora Vanessa Gouveia. “Abordamos situações do dia a dia durante os treinamentos, para que os alunos saibam se defender em qualquer ocasião. Mas o que mais muda na pessoa é a percepção do perigo. Então, conseguimos evitá-lo antes de acontecer”, afirma Vanessa, instrutora de krav maga há oito anos, em Jundiaí. “Eu costumo dizer aos meus alunos que, quanto mais você pratica essa arte, menos você vai usá-la, justamente por essa mudança de postura e percepção das coisas”, explicou a professora, que, junto com seu marido e também instrutor, Bruno César Lima, são reconhecidos pela Federação Sul-Americana de Krav Maga. O novo espaço para treinamento, na Vila Arens e inaugurado em janeiro deste ano, já conta com mais de 100 alunos matriculados, entre eles, Sandra Caspirro, de 59 anos, que pratica o krav maga há três anos e destaca os benefícios da arte. “Deixa a pessoa mais preparada para perceber tudo que está a sua volta, como, por exemplo, se há uma pessoa com má intenção se aproximando. Sua confiança e postura mudam, o que já afasta uma possível ameaça e diminuiu sua chance de ser uma vítima. Uma mulher que pratica krav maga dificilmente será estuprada”, revela. Para Marina Mercadante, de 22 anos, bastou acompanhar o irmão mais novo em um treino para se apaixonar pela arte, que hoje, pratica há quase cinco anos. “Além de te preparar para o conflito, te faz ter mais percepção. Então, eu acho que se você evita o problema, ele já está solucionado, pois não terá a necessidade de uma luta corporal”, finaliza..

Notícias relevantes: