Jundiaí

Doações: Projeto Semear precisa de ajuda


NOTA FISCAL PAULISTA APRENDIZADO DOM GASPAR MARIA PENHA DA SILVA
Crédito: Reprodução/Internet
Na rua do Retiro, número 390, funciona o Aprendizado Dom José Gaspar, local que acolhe 170 crianças em situação de vulnerabilidade, mas é agora, durante a pandemia do coronavírus, que a entidade precisa mais de ajuda. Mesmo com a paralisação das atividades com as crianças, o funcionamento da casa continua e, para o pagamento dos funcionários e sanar as despesas básicas, precisa da ajuda de contribuintes. Segundo a irmã Maria da Penha da Silva, mantenedora do local, o Projeto Semear ampara meninos e meninas em vulnerabilidade social, dando segurança aos pais para que as crianças tenham onde ficar enquanto eles trabalham. As atividades oferecidas são acolhimento e alimentação apropriada, acompanhamento escolar, orientação familiar e atividades socioeducativas, esportivas e culturais. Antes da pandemia do coronavírus, o financiamento das atividades era feito por campanha da Nota Fiscal Paulista, que não tem mais os rendimentos necessários, além do bazar permanente, venda de salgadinhos e bolos e dos eventos realizados, porém tudo permanece parado. “A gente tentou segurar as pontas até agora, mas percebemos que as coisas não vão retornar ao normal logo. O projeto está parado agora por conta da pandemia”, diz a freira. Diante da atual situação, junto com a equipe de voluntários que atuam no local, o Aprendizado criou uma vaquinha on-line para arrecadar os fundos necessários para custear o Projeto Semear por mais 3 ou 4 meses, até que a situação seja normalizada. O valor pedido pela vaquinha é de R$ 250 mil e, até o fechamento desta matéria, o valor arrecadado não chegava a R$ 10 mil. A vaquinha foi criada há poucos dias e ficará no ar durante três meses. “Caso não atinja o valor, confiamos na providência de Deus”, desabafa a freira, que disse ainda que a fabricação de salgadinhos e bolos deve retornar em maio, com a volta dos funcionários que estão de férias. “Gostaríamos de agradecer aos que já estão colaborando e esperamos, com a graça de Deus, atingir a nossa meta para continuarmos funcionando”, desabafa a Irmã Penha. Ajuda ao próximo O Aprendizado é mantido pela Congregação das Missionárias de Cristo, existente já há 75 anos, além de voluntários há 12 funcionários, entre assistente social, psicóloga, orientadoras sociais, oficineiros e zeladores. São 50 crianças, de dois e três anos, mantidas com verba municipal. As outras 120, de seis a onze anos, pertencem ao Projeto Semear. As crianças frequentam o espaço no contraturno escolar, ou seja, no meio período em que não estão na escola. Mas não há verba fixa para a manutenção do Projeto Semear, pois ele não se enquadra nos financiamentos dispostos pela Prefeitura de Jundiaí, por conta do “período de acolhimento ser maior que o estabelecido”, explica a freira. Contribuição O endereço para doações para a vaquinha on-line é http://vaka.me/1008383 e a entidade precisa das contribuições neste momento para continuar atendendo as crianças que precisam.

Notícias relevantes: