Jundiaí

Educação digital é primeiro passo para a cidade inteligente


T_tania
Crédito: Reprodução/Internet
A tecnologia de ponta está na palma das mãos dos brasileiros. Em Jundiaí, a Cidade Digital já é realidade, buscando humanizar o acesso de seus cidadãos aos serviços públicos. Entretanto, se avizinha um grande gap de empregabilidade no setor, com falta de mão de obra qualificada para o próximo decênio. Enquanto isso, as empresas de software estão investindo cada vez mais em plataformas que insiram pessoas com deficiência às suas iniciativas, bem como o respeito à diversidade. Estas foram as principais considerações durante evento do Fórum Jundiaí 2050, realizado no Paço Municipal, com a presença da presidente da Microsoft, Tania Consentino, e do vice-presidente do Programa Executivo do Gartner América Latina, Aurelio Bastos. A mediação do encontro foi realizada pelo gestor de Governo e Finanças, José Antonio Parimoschi. A presidente da Microsoft apresentou diversas realidades em implantação pela empresa, como a holografia para acessar serviços na cidade, em empresas e o tradutor simultâneo, também feito por hologramas, que mantém a entonação e características pessoais. Tânia salientou que a missão da Microsoft é promover um ambiente sustentável, com desenvolvimento econômico. Ela ressaltou que, hoje, todas as empresas são de tecnologia. “O cidadão tem os serviços na palma da mão e, com o advento da nuvem (onde se armazenam dados), há mais condições de acesso aos serviços.” A democratização, a privacidade dos dados e empoderamento são os princípios da empresa. Por conta disso, a falta de formação de mão de obra no Brasil é grande preocupação. “O setor tem 30% de vagas em aberto. E, quando as universidades brasileiras graduam o aluno, muitos vêm com formação em tecnologia deficitária.” A educação de ponta, com a iniciação à programação, ainda no ensino fundamental, seria uma alternativa para o futuro. “Precisamos educar agora se quisermos nos destacar.” Ela afirmou, ainda, que o impacto da inteligência artificial no Brasil poderá fazer com que o PIB cresça 6% nos próximos anos. A Microsoft também vem desenhando softwares para inclusão de pessoas com deficiência, com ajuda da realidade virtual. Em um deles, o deficiente visual consegue ter condições de leitura de imagens e diagramas. A presidente do Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência, Ivanilde Oliveira de Jesus, cega, afirmou que adoraria ter tido, no evento, condições de acompanhar a reunião, com recursos tecnológicos. “Hoje, usei a boa vontade do meu parceiro ao lado, Faouaz Taha (presidente da Câmara de Jundiaí) para narrar o que está sendo apresentado.” Tania Consentino se sensibilizou e afirmou que há condições para que a tecnologia se torne disponível brevemente.

Notícias relevantes: