Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Em 2019, cerca de 40 mulheres atendidas

GUILHERME BARROS | 11/03/2020 | 05:00

O câncer de colo de útero é o terceiro tipo de câncer que mais mata no país, perdendo apenas para o de mama e o colorretal. Por ser uma doença silenciosa, cerca de 35% dos casos acabam levando à morte. Este ano, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa é que 16 mil novos casos sejam descobertos.

Em Jundiaí, segundo dados da Unidade de Gestão da Promoção de Saúde (UGPS), aproximadamente 40 mulheres fizeram o tratamento na rede pública e este ano oito delas seguem em acompanhamento.

A preocupação acerca dos crescentes índices da doença aumenta quando analisado o principal causador da condição: o contágio pelo chamado papilomavírus humano, conhecido como HPV. E foi justamente por conta deste vírus que a paciente Silvia Vitti, de 45 anos, recorreu ao médico. Ela sentia muita dor de cabeça e confessa que deixou de fazer o exame de papanicolau em 2014. “O ginecologista me disse que sentiu a parede do colo áspera e por isso pediu uma biópsia. Infelizmente era um um tumor maligno”, conta, lembrando que o colo foi removido, porém não passou por sessões de quimioterapia e radioterapia.

O uso prolongado da pílula, inclusive, é um dos fatores que aumentam o risco e contrair a doença. “A transmissão da infecção ocorre por via sexual, então o uso de preservativo é fundamental para a não transmissão da doença”, adverte o ginecologista e professor de ginecologia da Faculdade de Medicina de Jundiaí, Francisco Pedro Filho. Em 2014 o Ministério da Saúde implantou a vacina tetravalente contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos.


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/em-2019-cerca-de-40-mulheres-atendidas/
Desenvolvido por CIJUN