Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Em Jundiaí, já são 86 mil hipertensos

SIMONE DE OLIVEIRA | 26/04/2019 | 05:03

A hipertensão arterial atinge 25% da população brasileira, de acordo com o Ministério da Saúde, ou seja, 30 milhões de pessoas. Por ser uma doença grave que pode comprometer o organismo e levar à morte, as campanhas de prevenção e orientação são feitas constantemente e hoje, ao comemorar o Dia Nacional de Prevenção Arterial, não será diferente em alguns hospitais e unidades básicas de saúde.
Em Jundiaí, com 86 mil pessoas identificadas com a doença, não haverá nada programado pontualmente, porém a Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) informa que o cuidado aos hipertensos faz parte do atendimento realizado pela Atenção Básica, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), Novas UBSs e Clínica da Família.
A hipertensão ou tensão alta é caracterizada quando a pressão arterial está acima dos 120 de máxima e 80 de mínima, convencionalmente chamado de “12 por 8”. O infarto do coração, o Acidente Vascular Cerebral (AVC), insuficiência cardíaca e renal são algumas das consequências maléficas da hipertensão, conhecida popularmente como uma “assassina silenciosa”.
Entre os principais fatores que podem levar a hipertensão está o sobrepeso e obesidade, a má alimentação (muito consumo de sal), o sedentarismo, o tabagismo e, em alguns casos, o fator hereditário (indivíduos com pais hipertensos têm 30% de chances de também ser hipertenso).
O coordenador da Unidade Coronariana do Hospital São Vicente de Paulo, Luis Carlos Bettiati Júnior, diz que qualquer pessoa está propensa a ter a doença, em especial a conhecida como hipertensão primária. Neste caso sempre surge devido à genética, porém o excesso de sal e alta carga de sódio desenvolvem a doença com mais frequência.
“Os principais cuidados, sem falarmos em medicamento, é comer pouco sal, e isto vale para qualquer pessoa. Atividade física controla a pressão”, diz o especialista, lembrando que a doença não tem cura, o que vale é sempre o controle.
O especialista alerta que ao sentir dor na nuca, associado ou não com aparecimento de pontos brilhantes na visão, zumbidos no ouvido, e até cansaço inexplicável, é preciso procurar ajuda. Podem ser alguns sintomas da hipertensão arterial.
“Acredito que 30% dos pacientes que entram em alguma da unidades médicas ou postos de atendimentos de urgência e emergência apresentam quadro de alteração de pressão. A causa deste fator só é informada depois de um diagnóstico mais preciso”, diz o especialista.
Só no Brasil, um em cada cinco indivíduos sofrem da doença. Segundo a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), diversos fatores contribuem para a elevação da pressão arterial, dentre eles, obesidade, sedentarismo, estresse, herança familiar e consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

CUIDADO
Além do acompanhamento médico, a UGPS disponibiliza grupos terapêuticos direcionados para os pacientes, com palestras educativas, orientações sobre alimentação saudável e atividades físicas direcionadas para o público.
A prevalência de hipertensão arterial na população adulta é de 32% (variando entre 22% a 44%), chegando a mais de 50% para indivíduos com 60 a 69% e 75% em indivíduos com mais de 75 anos, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

DIABETES E PRESSAO ARTERIAL JOSE BENEDITO DA SILVA


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/em-jundiai-ja-sao-86-mil-hipertensos/
Desenvolvido por CIJUN